Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

MEDIDA

Rússia expulsa diplomatas suecos, poloneses e alemães

Publicado em: 06/02/2021 09:26

 (Foto: Arquivo/AFP)
Foto: Arquivo/AFP
O recado do Kremlin teve destinatário certo e entrega imediata. O alto representante da União Europeia (UE) para Assuntos Externos e Política de Segurança, Josep Borrell, se reunia com o chanceler russo, Sergei Lavrov, em Moscou, quando o governo de Vladimir Putin anunciou a expulsão de diplomatas da Suécia, da Polônia e da Alemanha. 

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que um protesto foi feito pessoalmente aos embaixadores dos três países em relação à participação de funcionários diplomáticos dos Consulados-Gerais da Suécia e da Polônia em São Petersburgo, e da Embaixada da Alemanha, em Moscou, em “ações ilegais em 23 de janeiro de 2021”. 

“Eles receberam ordens de deixar o território da Federação Russa em um futuro próximo”, diz o comunicado. O governo de Putin insinua que os diplomatas marcaram presença em manifestações a favor do líder opositor russo Alexei Navalny, que cumpre pena de 2 anos e 8 meses de prisão por desrespeitar um controle judicial de 2014.

A reação também foi instantânea. A chanceler alemã, Angela Merkel, classificou as expulsões como “injustificáveis”; Berlim convocou o embaixador russo, em protesto, e avisou que as ações não ficarão sem respostas. “Consideramos essas expulsões injustificadas. Acreditamos que é outro aspecto que pode ser observado agora, o de que a Rússia está muito longe do Estado de direito”, declarou Mekel. A Polônia advertiu que o incidente pode danificar os laços bilaterais entre Varsóvia e Moscou. A Suécia, por sua vez, denunciou um gesto “completamente infundado”.

Investigação
Após ser comunicado diretamente por Lavrov, Borrell admitiu que as relações entre UE e Rússia “estão no seu ponto mais baixo desde o envenenamento e a prisão” de Navalny. “Em um debate aberto e franco, solicitei uma investigação imparcial sobre o atentado contra a sua vida e a sua liberdade. (…) Soube, durante o encontro, que três diplomatas europeus serão expulsos da Rússia. Eu condenei veementemente essa decisão, rejeitei as alegações de que realizaram atividades incompatíveis com o seu status de diplomatas estrangeiros. A decisão deve ser reconsiderada”, disse.

O russo Sergey Radchenko, professor de relações internacionais da Universidade de Cardiff (Reino Unido), avalia a decisão da Rússia de expulsar os diplomatas como “um passo amplamente simbólico e um tapa na cara da diplomacia europeia”. “A mensagem é: ‘A todos com quem nos importamos, podemos romper relações diplomáticas amanhã. Vocês terão de pedir que retornemos à mesa de negociações’”, afirmou ao Correio. Ele entende a manobra do Kremlin como “um novo grau de atrevimento, uma mistura de arrogância e dureza que Putin tenta projetar”. Radchenko aposta que as elites russas não abraçarão, sem hesitar, essa guinada da política externa. “Mas, o próprio Putin claramente espera deixar as elites de lado e forjar um consenso doméstico, em favor de um confronto de médio prazo com o Ocidente.”

O especialista acredita em uma reação limitada do Ocidente, como expulsões baseadas em reciprocidade diplomática. “A tendência geral será claramente alguns países restringirem relações com Moscou. O verdadeiro teste envolve o impacto disso nas relações econômicas, como Nord Stream-2”, disse Radchenko, a citar o gasoduto que liga a Rússia à Alemanha e é formado por dois ramais de 1.224km de comprimento.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Bolsonaro diz não ter briga com a Petrobras
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 24/02
Atividades econômicas proibidas em 63 municípios do Agreste e Sertão
Brasil aprova uso definitivo da vacina da Pfizer, mas imunizante ainda não está disponível
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco