Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

EMPODERAMENTO

Mulheres dos Balcãs rompem com tabu da violência sexual

Por: AFP

Publicado em: 09/02/2021 16:04

 (Foto: Damian Dovarganes/Reprodução)
Foto: Damian Dovarganes/Reprodução
"Um gatilho coletivo". Desde que uma atriz sérvia disse publicamente que havia sido estuprada por seu ex-professor, milhares de mulheres da região dos Balcãs têm falado sobre violência sexual - um clamor maciço que os ativistas esperam que se transforme em uma mudança duradoura. 

Os países da região, em sua maioria patriarcais, vivenciaram movimentos contra a violência contra as mulheres nos últimos anos. No entanto, a onda desencadeada há cerca de dez dias sob o lema "Você não está sozinha" ("Nisi Sama") é surpreendentemente importante. 

A catarse ocorre principalmente na internet, como na página do Facebook "Não fui atrás de você" ("Nisam Trazila") criada por atrizes bósnias. 

"Há anos tento criar coragem para conseguir contar a alguém, para acalmar minha alma, para ressuscitar a garota assassinada dentro de mim", relata uma jovem a respeito da agressão sexual que sofreu aos 14 anos. 

As mulheres foram inspiradas por Milena Radulovic, de 25 anos, uma atriz conhecida na região, que quebrou o silêncio ao jornal Blic no último 17 de janeiro. 

A atriz acusa Miroslav Aleksic, de 68 anos, um famoso professor de teatro de Belgrado, de tê-la estuprado quando ela era menor de idade e de ter abusado de outras alunas de sua renomada escola. 

O professor, em prisão preventiva há um mês, nega todas as acusações. 

"Temos que parar com isso", defende a atriz, referindo-se a sua "enorme responsabilidade com as crianças, com a sociedade e também comigo mesma". 

"Se ficarmos em silêncio, permitimos o mal", acrescenta. 

Os relatos de abusos se estendem a todas as esferas da sociedade. De acordo com um estudo da OSCE de 2019, a taxa de mulheres que denunciam assédio sexual na Sérvia é cerca de 10 pontos menor do que a média da União Europeia. 

Segundo os autores, isso é provavelmente uma consequência dos "tabus" que impedem as mulheres de denunciar e da "falta de consciência do que se trata o assédio sexual".

Saturação
Na Sérvia, a vitória judicial da ex-secretária Marija Lukic contra seu empregador, o prefeito de uma pequena cidade, condenado em 2020 a três meses de prisão por assédio sexual e agressão, é considerada a primeira manifestação de um #MeToo sérvio. 

Mas a saturação referente a esse tipo de situação existe há muito tempo. 

"Há muita energia, frustração e medo entre a população feminina", conta à AFP Marinella Matejcic, uma ativista croata da associação PaRiter. 

Seu movimento "Mulheres no Espaço Público", lançado no verão de 2020, registrou milhares de relatos de assédio nas ruas. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à obesidade ganha ainda mais importância no contexto da pandemia
Resumo da semana: explosão de casos de Covid-19 e desdém do presidente
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 05/03
Na pior fase da pandemia, cidades fazem panelaço contra Bolsonaro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco