Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

DIREITOS HUMANOS

ONU pede que Bolívia modifique decreto que restringe liberdade de expressão

Por: AFP

Publicado em: 13/05/2020 16:40

 (Foto: Nicholas Robert/AFP)
Foto: Nicholas Robert/AFP
O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu à Bolívia nesta quarta-feira (13) que modifique um decreto que restringe a liberdade de expressão, punindo aqueles que desinformam sobre o coronavírus. 

Uma declaração do escritório local da agência considerou que a regra promulgada no final de semana pela presidente provisória Jeanine Áñez para conter desinformação sobre a emergência do coronavírus "é excessiva". 

"O Decreto Supremo 4231 sobre a disseminação de informações durante a pandemia deve ser modificado para não criminalizar a liberdade de expressão", afirmou o escritório da ONU. 

O decreto levou os sindicatos de imprensa bolivianos a exigirem sua revogação e o anúncio de um "estado de emergência" entre seus afiliados.

O decreto pune criminalmente aqueles que "disseminam informações de qualquer natureza, seja por escrito, impresso, forma artística e/ou por qualquer outro procedimento que ponha em risco a saúde pública ou a afete, gerando incerteza na população" sobre políticas contra a coronavírus. 

Na segunda-feira passada, as associações de jornalistas de La Paz e sa Bolívia, APLP e ANPB, emitiram um comunicado conjunto "para que essa regra seja eliminada", que também foi criticada por outras organizações internacionais. 

O relator especial da Comissão Internacional de Direitos Humanos (CIDH), Edison Lanza, disse no Twitter que "o uso do direito penal para manifestações de interesse público não é compatível com o Sistema Interamericano. A desinformação é combatida com o acesso à informação pública".

Lanza também informou ter enviado uma nota à Presidente Áñez "sobre o dever de adaptar normas internas" aos padrões interamericanos de direitos humanos. 

José Miguel Vivanco, diretor das Américas da Human Rigths Watchs (HRW), lamentou o uso da "Covid-19 para atropelar a liberdade de expressão dos bolivianos". 

O Ministério da Comunicação garantiu em uma declaração que a regra "busca proteger a sociedade boliviana de informações ruins e imprecisas e, portanto, não restringe a liberdade de expressão". 

O Decreto 4231 endurece a sanção contida em outra emitida em março de 4200, uma vez que submete o suposto infrator à esfera criminal. A sentença pode ser de um a dez anos de prisão.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Um ato por justiça e solidariedade
Resumo da semana: criança morre ao cair de prédio e reabertura pós-quarentena
05/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Covid-19 põe indígenas amazônicos em grande risco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco