Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Celebração do 75º aniversário do fim da 2ª Guerra Mundial no mundo em crise

Por: AFP

Publicado em: 08/05/2020 13:22

Oficiais britânicos em frente à estatuas de soldados, com 2 metros de distância, para celebrar o fim da 2ª Guerra. (Foto: Tolga AKMEN / AFP)
Oficiais britânicos em frente à estatuas de soldados, com 2 metros de distância, para celebrar o fim da 2ª Guerra. (Foto: Tolga AKMEN / AFP)
A pandemia provocou uma "onda de ódio e xenofobia", denunciou a ONU nesta sexta-feira (8), enquanto os países ocidentais celebram o 75º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial de forma discreta, devido ao confinamento imposto pelo coronavírus. 

A pandemia provocou mais de 269 mil mortes no planeta, o confinamento de metade da população mundial e paralisou a economia. Mais de quatro meses após o surgimento, na China, a Covid-19 não dá trégua e levou o governo dos Estados Unidos a acusar as autoridades de Pequim de responsabilidade e de terem criado o vírus em um laboratório de Wuhan, cidade do centro do país onde foram registrados os primeiros casos.

O governo chinês rebateu categoricamente as acusações e denunciou uma "politização" da crise de saúde, mas afirmou nesta sexta-feira que apoia a criação de uma comissão liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que avalie a "resposta mundial" ao novo coronavírus. 

A revisão deverá acontecer de forma "aberta, transparente e inclusiva", disse Hua Chunying, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores. 

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, denunciou que a pandemia gerou uma "onda de ódio e de xenofobia". O discurso de ódio continua "buscando bodes expiatórios e fomentando o medo", criticou Guterres em um comunicado.

"O sentimento contra o estrangeiro aumentou na Internet e nas ruas. As teorias conspiratórias antissemitas se espalharam, e houve ataques contra muçulmanos em relação à Covid-19", acrescentou.

O chefe da ONU também condenou que se tenha "vilipendiado os migrantes e refugiados como fonte do vírus". Guterres mencionou ainda a difusão de memes "depreciativos", que sugerem que os idosos - entre as populações mais vulneráveis ao vírus - também são os mais prescindíveis.

Paz e ordem
 
Com mais de 75.600 mortes, os Estados Unidos se tornaram o epicentro da doença. Em meados de abril, o país registrava mais de 3.100 mortes por dia, mas agora está em nível constante do qual não consegue reduzir os números.

Na Europa, a pandemia provocou mais de 150.000 vítimas fatais, sobretudo no Reino Unido (30.615), Itália (29.958), Espanha (26.299) e França (25.987), de acordo com um balanço da AFP com base em dados oficiais. Os números reais de óbitos e contagiados, sem dúvida, superam as estatísticas divulgadas. 

Neste contexto, o mundo recorda o dia 8 de maio de 1945, que marca a rendição da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial. Em consequência do coronavírus, poucos eventos públicos foram programados.

Na Alemanha, o presidente Frank-Walter Steinmeier pediu à comunidade internacional que proteja a "ordem e a paz" estabelecida desde 1945 e o aumento da  "cooperação" na luta contra o novo coronavírus.

Além disso, pediu aos compatriotas que considerem o dia 8 de maio de 1945 como um dia de "gratidão" e não de amargura pela derrota.

A pandemia de Covid-19 privou os russos do grande desfile militar na Praça Vermelha de Moscou, ao qual estavam convidados líderes estrangeiros. A rainha Elizabeth II pronunciará um discurso para os britânicos, o segundo desde o início da pandemia.

A "bomba" de Milão
 
Os países europeus começam a abandonar gradualmente o confinamento. A prefeitura de Barcelona (Espanha)reabriu nesta sexta-feira as praias para permitir que os cidadãos pratiquem esportes nos horários autorizados.

É para a prática de esportes individuais. Você não pode passear, sentar ou deitar, nem fazer um piquenique", alertou o vereador Eloi Badia.

Na Itália, as imagens dos moradores de Milão passeando à beira dos canais ou lanchando ao ar livre provocaram grande polêmica, pois a capital da Lombardia - uma das regiões mais afetadas pela Covid-19 - continua sendo "como uma bomba", advertiu o conhecido virologista Massimo Galli.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciará um programa de desconfinamento "muito limitado" no domingo, enquanto a França começará a aplicar uma flexibilização a partir de segunda-feira, mas as medidas serão diferentes de acordo com a região.

Alemanha, Áustria, os países escandinavos e a Dinamarca já suspenderam praticamente todas as restrições e Copenhague prevê a reabertura de museus, teatros e cinemas em 8 de junho. 

Uma situação muito diferente da registrada na Rússia, onde o número de casos disparou. Moscou, que registrou mais de 10.000 novos contágios em 24 horas, prolongou o confinamento até 31 de maio. O país soma 187.859 casos, com 1.723 mortes.

Do outro lado do Atlântico, a Califórnia, primeiro estado americano a decretar o confinamento, começará a suavizar algumas medidas nesta sexta-feira. 

A América Latina e o Caribe registraram mais de 319.000 casos e mais de 17.000 mortos, segundo um balanço da AFP com base em dados oficiais.

O Brasil é o país mais afetado da região, com 135.106 infectados e 9.146 mortes. O Peru está em segundo (58.526 contágios e 1.627 vítimas fatais).

Na Ásia, a situação começa a retornar ao ritmo normal. A Coreia do Sul retomou o campeonato de futebol, enquanto em Hong Kong, bares cinemas e academias reabriram as portas.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Um ato por justiça e solidariedade
Resumo da semana: criança morre ao cair de prédio e reabertura pós-quarentena
05/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Covid-19 põe indígenas amazônicos em grande risco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco