Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

Reação

Atuação do Ministério das Relações Exteriores sofre duras críticas do Cebri

Publicado em: 12/05/2020 14:18

O Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) publicou nota oficial na qual afirma que a gestão do Ministério das Relações Exteriores é um acumulado de erros recentes e atingiram agora um patamar de disfuncionalidade e de prejuízo ao país por seguir o caminho oposto do que seria natural durante a crise provocada pela Covid-19.

Para o presidente emérito do Cebri, Luiz Augusto de Castro Neves, que foi embaixador do Brasil na Argentina, Japão e China, entre outros países, além de ter sido secretário de Assuntos Estratégicos do Ministério das Relações Exteriores, a gestão do Ministério das Relações Exteriores, sob o comando de Ernesto Araújo, tende a levar o Brasil ao isolamento e à irrelevância perante a comunidade internacional. Aliás, Neves defendeu o comunicado do Cebri, que critica os rumos da política externa brasileira do presidente Jair Bolsonaro. "O que motivou a nota foi a disfuncionalidade crescente da política externa brasileira que está tendo como consequência à irrelevância da atuação internacional do governo brasileiro, o que é grave e altamente prejudicial aos interesses do país” apontou.

O presidente emérito do Cebri integra um dos 27 signatários do comunicado e em relação à nota destacou ainda que "em datas recentes o governo brasileiro, através do Itamaraty tem feito declarações gratuitas e inconsequentes, proferido votos e adotado posições que nos enfraquecem e isolam sem com isso, de forma alguma, fortalecer a defesa de nossos interesses".
 
Segundo o ex-embaixador, se acumulam as queixas e ressentimentos com posições do governo federal que se desviam de nossa longa tradição de cooperação construtiva com a sociedade internacional. “Tudo isso tem um preço que pode vir a nos ser cobrado quando mais precisamos de uma coisa que já tínhamos merecidamente conquistado e que era o mais amplo respeito da sociedade internacional que via no Brasil um parceiro amistoso, confiável e, acima de tudo, generoso”, acrescentou.

Castro Neves, além disso, assinalou que parece nítido a política externa brasileira estar sem rumo, "com algumas manifestações esparsas, grosseiras e inconsequentes". Também Presidente do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), o diplomata Luiz Augusto de Castro Neves não comentou diretamente sobre a questão como representante da entidade, mas o órgão lida com o maior parceiro comercial do Brasil, que já foi atacado recentemente por ministros e até pelos filhos de Bolsonaro. "Além das 'declarações gratuitas e inconsequentes', o Brasil tende à pior forma de isolamento, que é aquele decorrente da irrelevância de sua atuação em suas relações internacionais; acrescente-se a conduta errática de algumas autoridades em relação a países com os quais o Brasil tem parcerias estratégicas relevantes para o maior interesse nacional, que é o de promover seu desenvolvimento econômico e social", concluiu.

Recapitulando, na última sexta-feira, diversos ex-chanceleres brasileiros, inclusive o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, divulgou um manifesto em vários contra a atual situação do Itamaraty, que é associado mais ao alinhamento automático com os Estados Unidos e o negacionismo do que propriamente com o multilateralismo que sempre conduziu e regeu as ações da política externa do Brasil. Em resposta, o ministro Ernesto Araújo, por meio de suas redes sociais, atacou o manifesto e o comunicado do Cebri. Há pouco tempo Araújo foi ainda criticado por vincular e culpar a China pelo novo coronavírus, ao usar a palavra “comunavírus”, correlacionando à pandemia a uma suposta conspiração comunista.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Um ato por justiça e solidariedade
Resumo da semana: criança morre ao cair de prédio e reabertura pós-quarentena
05/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Covid-19 põe indígenas amazônicos em grande risco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco