Operações comerciais Senadores americanos pedem que governo revise operações da JBS nos EUA

Por: Folha Press

Publicado em: 08/10/2019 21:39 Atualizado em:

O republicano Marco Rubio é um dos senadores americanos que enviou o documento ao secretário Steven Mnuchin - Foto: AFP.
O republicano Marco Rubio é um dos senadores americanos que enviou o documento ao secretário Steven Mnuchin - Foto: AFP.
Senadores americanos pediram oficialmente nesta terça-feira (8) que o Departamento do Tesouro dos EUA revise as operações comerciais da JBS no país.

Em documento enviado ao secretário Steven Mnuchin, o republicano Marco Rubio e o democrata Bob Menendez -base e oposição de Donald Trump, respectivamente- solicitam que o Comitê de Investimentos Estrangeiros americano abra formalmente um processo para revisar as transações da gigante de carne brasileira nos EUA.

Os parlamentares citam o esquema de corrupção no Brasil -que culminou com a delação premiada de Joesley e Wesley Batista, donos da empresa, em 2017- e a ligação da companhia com o regime de Nicolás Maduro, na Venezuela, como riscos à segurança nacional e ao sistema de alimentos dos americanos.

"Escrevemos para expressar nossa preocupação com a capacidade de empresas estrangeiras envolvidas em atividades financeiras ilícitas adquirirem empresas dos Estados Unidos no setor de alimentos, especificamente o conglomerado brasileiro de processamento de carne JBS S.A., que se envolveu em suborno de funcionários públicos como metodologia para obter fundos que então foram usado para essas aquisições", afirmam os senadores.

"Dada sua conduta criminal admitida para garantir empréstimos que foram usados para investimento nos EUA e as relações comerciais do grupo com o regime Maduro da Venezuela, bem como sua crescente dependência de financiamento de entidades alinhadas com o governo chinês, solicitamos que o CFIUS [Comitê de Investimentos Estrangeiros dos EUA, na sigla em inglês] realize uma revisão da aquisição de empresas norte-americanas pela JBS S.A. para avaliar as implicações para a segurança do abastecimento de alimentos da América e, por sua vez, nossa segurança nacional."

No documento, são descritas atividades comerciais da JBS nos últimos 12 anos em relação a empresas americanas, citando o estabelecimento de uma subsidiária da companhia nos EUA, em 2007, seguido das compras de processadoras como a Swift Foods Co., a Smithfield Foods, entre outras.

"Hoje, a JBS S.A. é a maior empresa de processamento de carne do mundo e possui grandes participações no setor de alimentos dos EUA. Essas aquisições têm sérias implicações para a segurança, proteção e resiliência de nosso sistema."

Os parlamentares afirmam ainda que, durante o período em que a JBS ingressava com seus negócios nos EUA, estava "envolvida em uma ampla gama de atividades ilícitas no Brasil", com pagamento de multa e admissão de culpa em um acordo de delação premiada fechado pelos irmãos Batista, e que os empréstimos que a empresa conseguiu junto ao BNDES podem ter sido usados para comprar as companhias em território americano.

"[Eles] admitiram subornar mais de 1.800 políticos brasileiros em montantes totalizando mais de US$ 150 milhões, a fim de obter empréstimos e financiamentos ilícitos", diz a carta.

Deputados brasileiros tentam, inclusive, fazer audiências com integrantes do Congresso americano para tratar de investigações sobre a empresa nos EUA.

Um requerimento da deputada federal Paula Belmonte (PPS-DF), por exemplo, foi aprovado para fazer audiência com parlamentares em Washington. Ela quer apresentar na capital americana o relatório final da CPI do BNDES para subsidiar eventuais investigações contra a JBS nos EUA.

No pedido, Belmonte diz ser importante informar que há indícios de fraude na compra da Bertim pela JBS por meio da criação de uma offshore nos EUA no momento em que a empresa prepara abertura de capital no país.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.