Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

Amazônia

Parlamento do Reino Unido analisa petição que pede sanções ao Brasil

Publicado em: 07/10/2019 18:53

Foto: Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil.
O Parlamento do Reino Unido começou a analisar nesta segunda-feira, 7 de outubro, uma petição que pede que a União Europeia (UE) e a Organização das Nações Unidas (ONU) apliquem sanções ao Brasil, como forma de pressionar o País a tomar medidas efetivas para conter a alta dos desmatamentos na Amazônia.

"O governo do Brasil, liderado por Jair Bolsonaro, favorece o desenvolvimento da floresta amazônica em detrimento de sua conservação", diz a petição. "O desmatamento ameaça as populações indígenas que vivem na floresta, a perda de um ecossistema precioso e complexo e uma reserva vital de carbono que retarda o aquecimento global", completa o documento. Para os autores da petição, "o desmatamento da Amazônia é de importância global".

O fórum de petições do Parlamento britânico traz a resposta oficial do governo local ao pedido apresentado. "O Reino Unido compartilha das preocupações sobre o desmatamento na Amazônia. O governo acredita que essas questões podem ser tratadas de maneira mais eficaz, por meio do diálogo e de nossos programas bilaterais", informa o legislativo do país.

Em discurso na Assembleia Geral da ONU, em 24 de setembro, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a floresta amazônica "permanece praticamente intocada" e que, segundo ele, é uma falácia atribuir à Amazônia a condição de patrimônio da humanidade.

Na mesma oportunidade, o presidente Bolsonaro criticou a aplicação de sanções ao Brasil por questões relacionadas à preservação da floresta tropical. "Um ou outro país, em vez de ajudar, embarcou nas mentiras da mídia e se portou de forma desrespeitosa, com espírito colonialista", disse, na ONU. "Um líder presente no encontro do G7 questionou nossa soberania e ousou sugerir aplicar sanções ao Brasil sem sequer nos ouvir", completou, em seu discurso.

A frase foi entendida como uma crítica ao presidente da França, Emmanuel Macron, com quem Bolsonaro teve uma série de embates e divergências por conta da preservação da Amazônia.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Depois de campanha, estudante com altas habilidades ganha equipamento para assistir a videoaulas
26/05: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
A pandemia em Pernambuco - notícias de 25/05
Curados da Covid-19 ressaltam importância do isolamento
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco