Declaração Boris Johnson promete nova proposta sobre o Brexit em breve

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 01/10/2019 10:26 Atualizado em:

Johannes Eisele/AFP
Johannes Eisele/AFP
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, prometeu nesta terça-feira (1) apresentar em breve novas propostas a Bruxelas sobre o Brexit, mas sem revelar detalhes sobre as medidas.

"Vamos fazer uma oferta muito boa, vamos apresentar formalmente muito em breve", declarou Johnson em Manchester, onde acontece o congresso anual do Partido Conservador, à rádio BBC, a apenas um mês da data prevista para a saída da União Europeia.

Segundo alguns meios de comunicação a nova proposta poderá ser apresentada na quinta-feira.

O Reino Unido decidiu em 2016 por referendo, com 52% dos votos, encerrar mais de 45 anos de adesão à União Europeia.

Sua saída do bloco estava marcada para março passado, mas antes da rejeição obstinada do parlamento britânico ao acordo dificilmente negociado pela ex-primeira-ministra, a conservadora Theresa May, a data foi adiada duas vezes, até 31 de outubro.

O carismático e polêmico Johnson, que chegou ao poder no final de julho ao substituir May como líder do Partido Conservador, quer renegociar com a UE o ponto mais conflitante do texto: a chamada "salvaguarda irlandesa" ou como evitar uma nova fronteira física entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, um país membro da UE.

Seu objetivo é preservar o frágil acordo de paz na Sexta-feira Santa, que, em 1998, encerrou três décadas de sangrento conflito na Irlanda do Norte, mas Londres e Bruxelas não concordam com a forma de alcançá-lo.

Proposta séria
Diversas versões das propostas britânicas para manter aberta a fronteira terrestre entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda vazaram à imprensa nesta terça.

Segundo uma das versões, o governo contempla fazer os controles alfandegários a vários quilômetros da fronteira.

Uma ideia que o vice-primeiro-ministro irlandês, Simon Coveney, rejeitou de modo imediato.

Ele pediu a Londres que apresente uma "proposta séria".

Johnson declarou à BBC que o que foi publicado pela imprensa "não é exato" e negou que seu plano inclua "centros alfandegários descentralizados".

Sem apresentar detalhes, o primeiro-ministro explicou que sua proposta prevê "um território único para a agricultura, as indústrias agroalimentares, sanitárias e fitossanitárias, o que constitui uma concessão importante do governo britânico".

Britânicos e europeus intensificaram os contatos nas últimas semanas, mas Bruxelas afirma não ter recebido até o momento propostas escritas que possam resultar em um acordo.

Johnson reiterou nesta terça-feira sua determinação de concretizar o Brexit em 31 de outubro, após os dois adiamentos prévios, apesar do Parlamento britânico ter aprovado uma lei que determina um novo pedido de prorrogação se o governo não alcançar um acordo com UE depois da reunião de cúpula europeia dos dias 17 e 18.

Para impedir uma saída brutal do bloco, que, segundo relatos do próprio governo, causaria escassez de alimentos frescos e medicamentos e poderia causar distúrbios violentos, o Parlamento aprovou urgentemente em setembro uma lei que obriga o premiê a solicitar outra extensão à UE se, após a cúpula europeia, não se chegar a um acordo com os 27.

Se explicar como, Johnson assegura que não solicitará outra extensão do prazo.

Um eventual novo acordo ainda precisa ser aprovado pelos deputados britânico, que rejeitaram três vezes o Tratado de Retirada assinado por May com Bruxelas.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.