Protesto Grande manifestação em Moscou pela libertação dos 'presos políticos'

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 30/09/2019 09:39 Atualizado em:

Yuri Kadobnov/AFP
Yuri Kadobnov/AFP
"Liberdade aos presos políticos!": Quase 20.000 pessoas protestaram neste domingo em Moscou, a pedido da oposição, para denunciar os processos contra vários participantes do movimento de contestação que sacudiu a capital russa neste verão.

Segundo a polícia, cerca de 20.000 pessoas se reuniram por volta das 16h00 (10h00 de Brasília) na Avenida Sakharov, perto do centro de Moscou, enfrentando a chuva de outono.A ONG White Counter estimou o número em mais de 23.000.

Organizada pelo Partido Libertário e apoiada pelo opositor Alexei Navalny, a manifestação foi autorizada pelas autoridades. Dezenas de policiais garantiam a segurança do protesto, que foi cercado por barreiras metálicas.

"Estou aqui não apenas por mim, mas por aqueles que não puderam estar aqui ou com seus entes queridos, aqueles que estão na prisão ou já foram condenados à prisão", disse Liubov Sobol, aliado de Alexei Navalny, de um palco instalado em frente aos manifestantes.

De meados de julho até o final de agosto, ocorreram manifestações quase semanais em Moscou, depois que muitos candidatos da oposição foram proibidos de participar das eleições locais em setembro, marcadas pela derrota dos candidatos pró-Kremlin em Moscou. Este foi o movimento de protesto mais importante desde o retorno de Vladimir Putin ao poder em 2012. 

Como a maioria das manifestações não foi permitida, resultaram em cerca de 2.700 prisões e casos de violência policial.

Embora a maioria dos manifestantes tenha sido libertada rapidamente, cerca de 15 foram mantidos presos por várias semanas. Seis já foram condenados de dois a quatro anos de prisão por "violência" ou "violação das regras da manifestação".

Em meados de setembro, a oposição e várias personalidades russas se mobilizaram pela libertação de Pavel Ustinov, ator condenado a três anos e meio de prisão por ter resistido à prisão em um protesto no final de julho.

No início de agosto, a Justiça também abriu uma investigação por "lavagem de dinheiro" contra a organização de Navalny, que publicou nos últimos anos investigações denunciando o enriquecimento de altas autoridades russas.

Como parte da investigação, a polícia russa realizou mais de 200 buscas em meados de setembro em cerca de 40 cidades russas.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.