Sandra Torres Ex-candidata à Presidência da Guatemala é presa na véspera do fim de órgão anticorrupção

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 02/09/2019 22:27 Atualizado em:

Foto: AFP
Foto: AFP
A polícia guatemalteca prendeu a ex-candidata à Presidência da Guatemala Sandra Torres nesta segunda-feira (2) após ela ser denunciada por violar leis de financiamento de campanha. A prisão aconteceu horas antes do encerramento da Cicig (Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala), órgão independente, apoiado pela ONU, composto por colaboradores e magistrados guatemaltecos e estrangeiros para investigar casos de corrupção. 
 
Torres foi presa em sua residência em um bairro de luxo nos arredores da Cidade da Guatemala, disse um porta-voz do Ministério Público. Ela nega as acusações. A ex-primeira dama social-democrata perdeu em 11 de agosto a votação presidencial frente ao médico de direita Alejandro Giammattei. 
 
A continuidade do trabalho da Cicig foi tema recorrente nos debates eleitorais, e muitos guatemaltecos foram às ruas pedir que o órgão permanecesse no país. Pesquisa deste ano mostrou que mais de 70% apoiavam a continuidade do trabalho do órgão. A prisão de Torres e um caso contra um atual ministro na última semana parecem ter sido os últimos atos da comissão, que encerrará seu mandato nesta terça-feira, após 12 anos em operação, por decisão do atual presidente, Jimmy Morales.
 
Sem a Cicig, considerada um dos órgãos mais eficientes de combate à corrupção da história da América Latina, juízes afirmam que teria sido difícil conduzir os casos. Durante a campanha, Torres gozou de imunidade por causa de sua condição de candidata.
 
Em fevereiro passado, o MP pediu para retirar o foro especial de Torres para investigá-la depois de ser revelado que cerca de 2,5 milhões de dólares (cerca de R$ 10,5 milhões) não foram relatados por ela nas despesas da campanha eleitoral de 2015. 
 
Naquele ano, como neste, Torres era candidata à presidência da Unidade Nacional de Esperança Social Democrata (UNE), que havia levado seu ex-marido ao poder, ex-presidente Álvaro Colom (2008-2012), de quem ela se divorciou em 2011 para competir pela primeira vez.  Os fundos foram entregues ao partido por duas empresas guatemaltecas, mas nunca foram incluídos nos relatórios que apresentaram ao Supremo Tribunal Eleitoral (TSE), disse o promotor Juan Francisco Sandoval em entrevista coletiva.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.