Cinema Cahiers du Cinema denuncia 'ofensiva reacionária' no Brasil

Por: Nelson de Sá - FolhaPress

Publicado em: 05/09/2019 08:55 Atualizado em:

Divulgação/Filme
Divulgação/Filme
Com 25 páginas dedicadas ao Brasil, a edição de setembro da revista Cahiers du Cinema denuncia a "ofensiva reacionária e regressiva de Bolsonaro" contra o cinema no país. O enunciado na capa é "O Brasil de Bolsonaro".

O editorial já disponibilizado online afirma que a "ameaça" do presidente acontece no "momento em que o cinema brasileiro é um dos mais férteis", citando filmes como "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho. "Bacurau", do mesmo diretor, está na capa e ao longo de cinco páginas.

O especial sobre o país inclui textos como "Cinema brasileiro na era Bolsonaro", de Ariel Schweitzer, e "Bolsonaro e o legado do Cinema Novo", título da entrevista com o documentarista Eryk Rocha, filho do diretor Glauber Rocha.

Professor na Universidade Paris 8 e membro do conselho da revista, Schweitzer é o organizador da edição, que sai após as premiações de "Bacurau" e "A Vida Invisível de Eurídice Gusmão", de Karim Aïnouz, em Cannes.

No editorial, a Cahiers du Cinema relaciona as intervenções de Bolsonaro na Ancine (Agência Nacional do Cinema) com a indicação, há pouco mais de um mês, de um dos maiores doadores da campanha do presidente Emannuel Macron para presidir a agência de cinema no país, CNC.

Dominique Boutonnat é questionado pela revista por ser "um especialista de financiamento privado na direção de um órgão público", que foi, "como em toda parte, infiltrado com a missão de desconstruir o serviço público por dentro".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.