Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Mundo
Relações Trump adia visita após recusa da Dinamarca em negociar Groenlândia

Por: Folha Press

Publicado em: 20/08/2019 22:32 Atualizado em:

Foto: Alex Edelman/AFP
Foto: Alex Edelman/AFP
O presidente Donald Trump adiou uma viagem que faria à Dinamarca após a primeira-ministra do país comunicar que não estava interessada em negociar a venda da Groenlândia para os EUA.
 
O cancelamento, anunciado em uma rede social nesta terça (20), acontece dois dias após o republicano ter dito a jornalistas que ser proprietário da Groenlândia -um território autônomo da Dinamarca- "seria bacana" para os EUA do ponto de vista estratégico.

 
Trump deveria visitar Copenhague, a capital dinamarquesa, em setembro, e o Ártico seria uma das pautas durante reuniões com os primeiros-ministros da Dinamarca e da Groenlândia. Mas não havia indicações de que conversas sobre a compra do território estivessem na agenda.

 
Em seu post nesta terça, Trump disse que a Dinamarca é "um país muito especial com pessoas incríveis", mas que adiaria a reunião com a primeira-ministra Mette Frederiksen já que ela não teria interesse em discutir a comercialização da Groenlândia.

O republicano agradeceu o fato de Frederiksen ter sido tão direta, dizendo que ela poupou esforços e gastos financeiros tanto para os EUA quanto para a Dinamarca. Trump afirmou que espera remarcar a viagem. No final de semana, Frederiksen havia visitado a ilha e dito que a ideia de Trump de comprá-la era "absurda", depois que as autoridades da Dinamarca rechaçaram a ideia. "A Groenlândia não está à venda. A Groenlândia não é dinamarquesa.
A Groenlândia pertence à Groenlândia. Espero sinceramente que essa proposta não seja séria", disse a primeira-ministra ao jornal Sermitsiaq.

O jornal The Wall Street Journal noticiou na quinta-feira (15) que Trump tinha expressado interesse por essa grande ilha dinamarquesa, ao consultar assessores se seria possível aos Estados Unidos adquirir o território situado entre o Ártico e o Atlântico Norte.

A Dinamarca colonizou a ilha, com área de dois milhões de quilômetros quadrados, no século 18. A população é de apenas 57 mil pessoas, a maioria pertencente à comunidade indígena inuit. Trata-se de uma das áreas habitadas mais frias do mundo. A ilha depende do apoio econômico da Dinamarca, que também cuida de sua defesa e política externa, mas tem autonomia para resolver seus assuntos internos.


Trio de Ferro e Decisão Bonito campeão do Pernambucano A2
De 1 a 5: o que há de novo na gastronomia recifense?
Democracia do cinema: quem pode assistir e quem tem o direito de fazer
Depois de 580 dias, ex-presidente Lula deixa a prisão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco