Retorno Ex-número 2 das FARC anuncia retorno à luta armada na Colômbia

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 29/08/2019 11:23 Atualizado em:

Luis Acosta/AFP
Luis Acosta/AFP
Iván Márquez, ex-número dois da guerrilha dissolvida das FARC, e cujo paradeiro era desconhecido há mais de um ano, reapareceu em um vídeo anunciando que voltou às armas junto com outros chefes rebeldes que se distanciaram do acordo de paz na Colômbia.

Na gravação postada na quinta-feira em um canal do YouTube, Márquez, vestido de verde militar e acompanhado por Jesus Santrich, um fugitivo da justiça, enfatiza: "Anunciamos ao mundo que a segunda Marquetalia (berço histórico da rebelião armada) começou sob proteção do direito universal que ajuda todos os povos do mundo a se levantarem contra a opressão".

Nas selvas do sudeste da Colômbia, o ex-negociador da paz também acrescentou que seu anúncio é a "continuação da luta de guerrilha em resposta à traição do Estado aos acordos de paz de Havana".

Este acordo levou ao desarmamento de cerca de 7.000 homens e mulheres em 2017.

Márquez, Santrich e Hernán Darío Velásquez, também conhecido como El Paisa - que também aparece no vídeo com um rifle e uniforme de camuflagem - afastaram-se do pacto de paz que visava a acabar com mais de meio século de conflito armado e que deu origem ao agora partido das FARC.

Os três reapareceram na selva ladeados por homens e mulheres com rifles e com uma faixa na parte inferior, na qual é possível ler "Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia FARC-EP".

"A armadilha, a traição e a perfídia, a modificação unilateral do texto do acordo, a violação dos compromissos por parte do Estado, as assembleias judiciais e a insegurança jurídica nos forçaram a voltar para a montanha. Nunca fomos vencidos ou derrotados ideologicamente, é por isso que a luta continua", diz ainda Márquez no vídeo de 32 minutos.

Segundo ele, o novo grupo armado procurará coordenar "esforços com os guerrilheiros do ELN e com aqueles camaradas que não dobraram suas bandeiras".

Com cerca de 2.300 combatentes, o Exército de Libertação Nacional (ELN) é reconhecido como o último grupo guerrilheiro ativo na Colômbia e exerce forte influência na fronteira com a Venezuela.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.