Eleições no Uruguai e na Argentina com campanhas paralelas

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 17/08/2019 10:23 Atualizado em:

AFP/Arquivos / STRINGER (AFP/Arquivos / STRINGER)
AFP/Arquivos / STRINGER
Em uma coincidência inédita, Argentina e Uruguai celebrarão eleições presidenciais no mesmo dia, em outubro, com a polarização dos eleitorados como ponto em comum de campanha.

Os dois países vivem situações políticas opostas. Enquanto que a Argentina foi parte da mudança de rumos na América Latina em direção à centro-direita, o Uruguai é presidido desde 2005 pela coalizão de esquerdas Frente Ampla (FA), que disputa um quarto mandato consecutivo.

Enquanto nas primárias argentinas de domingo o presidente liberal Mauricio Macri tenha visto suas chances de reeleição caíram drasticamente, no Uruguai as pesquisas indicam um cenário mais imprevisto. Ambas as campanhas apontam para um dilema entre modelos de diferentes países.

- Imitação ou oposição -

Com os ponteiros eleitorais sincronizados, dirigentes de esquerda uruguaios tentaram capitalizar o revés do presidente argentino frente à chapa peronista composta por Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner nas primárias.

Segundo a ministra uruguaia do Turismo, Liliam Kechichián, os partidos opositores Nacional (PN, centro-direita) e Colorado (PC, liberal) "têm uma linha de pensamento e de programa de governo muito similares" aos de Macri.

Em 2015, a vitória de Macri encerrando 12 anos de governos kirchneristas foi celebrada por vários dirigentes de oposição no Uruguai.

Atualmente, a queda de popularidade do presidente argentino e a crise econômica fazem que "seja difícil reivindicar seu governo como um modelo a seguir", explica o cientista político uruguaio Diego Luján, da Universidade da República (UdelaR).

O presidenciável uruguaio do PN, Luis Lacalle Pou, favorito entre os candidatos opositores, garante que suas propostas vão em sentido contrário às aplicadas por Macri. O colorado Ernesto Talvi classificou de "má noticia" o resultado das primárias argentinas. "Todos os problemas que tínhamos (...) com a Argentina depois que Macri foi eleito Macri foram resolvidos em cinco minutos (...) porque há um espírito mais republicano".

No sentido contrário, o prefeito de Montevidéu - bastião frentista desde 1990 - Christian di Candia, não hesitou em convidar o candidato a governador de Buenos Aires Axel Kicillof, ex-ministro da Economia kirchnerista, a "tomar uns mates uruguaios".

- Pela negativa -

O cientista político Daniel Chasquetti, também da UdelaR, lembra que durante os governos kirchneristas (2003-2015) as relações de Uruguai e Argentina "foram muito ruins", em particular pelo conflito em torno da instalação de uma fábrica de celulose no rio Uruguai.

Para piorar, durante o auge desses embates, o chefe de gabinete argentino era Alberto Fernández.

Isso não impediu que, após o anúncio de sua candidatura, Fernández fosse ao Uruguai para se reunir com o ex-presidente José Mujica (2010-2015), "uma figura de prestígio" para a centro-esquerda argentina, segundo o analista político argentino Rosendo Fraga, que viu naquele encontro a vontade do peronista de captar algo da aura de austeridade que cerca o anfitrião apelidado de o "presidente mais pobre do mundo".

Embora nos últimos anos o Uruguai tenha reduzido sua dependência histórica frente às cíclicas crises econômicas do vizinho, o que acontecer no nível político "pode influenciar no estado de ânimo" dos uruguaios, admite Chasquetti.

Entretanto, "se houver algum tipo de associação, será pela negativa", assegura.

O espelho argentino serve à FA para advertir sobre os "perigos" de uma inflexão à direita. Já a oposição "buscará associar a FA aos Kirchner, mas também com a corrupção do Partido dos Trabalhadores no Brasil e com o regime chavista na Venezuela", opina o cientista política.

- Polarizados, mas não tanto -

No Uruguai, explica Chasquetti, o governo de esquerda rebate críticas lembrando o período anterior à primeira presidência do FA, em um país que teve altos níveis de pobreza e uma economia frágil após a crise de 2002, enquanto a oposição invoca fracassos do governo "como aumento da criminalidade e desemprego".

Enquanto isso, na Argentina a campanha está mais focada nas figuras antagônicas de Macri e Cristina Kirchner. Encarnam a dicotomia peronismo-antiperonismo que domina o sistema político desse país.

O sistema político no Uruguai tem contrapesos que evitam chegar aos extremos da lógica binária argentina: um sistema de partidos "estável e previsível", disse Luján.

Ambas as eleições serão 27 de outubro, com eventuais segundo turnos em 24 de novembro.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.