Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo
Ásia Novo cargo de Aung San Suu Kyi liga alerta em militares de Mianmar "O cenário no Parlamento não é bom, e mostra o quão imaturo ele é", disse Khin Zaw Oo, ex-general-tenente que integra o bloco alinhado aos militares

Por: AE

Publicado em: 07/04/2016 14:38 Atualizado em:

A criação de um novo cargo de liderança para Aung San Suu Kyi, que não pode assumir a presidência por veto constitucional, ligou um alerta entre os militares.

A política, que é reconhecida por muitos como a líder de fato do país, começou a exercer seu novo cargo de "conselheira de Estado" do gabinete pedindo a soltura de presos políticos do país, o que enfureceu os militares.

Membros da Liga Nacional pela Democracia (NLD), o partido de Suu Kyi - ganhadora do Nobel da Paz em 2013 -, celebraram a nova lei publicada ontem, como uma grande vitória dos primeiros dias do novo governo. Por outro lado, muitos que estão alinhados com a classe militar caracterizaram a estratégia como perigosa para o primeiro governo civil eleito em cerca de 50 anos.

"O cenário no Parlamento não é bom, e mostra o quão imaturo ele é", disse Khin Zaw Oo, ex-general-tenente que integra o bloco alinhado aos militares. "A relação entre o NLD e os militares será impactada."

Na quinta-feira, o primeiro ato de Suu Kyi, uma primeira-ministra de fato, foi pedir que o país libere os prisioneiros políticos que ainda restam para o feriado do Festival da Água, que começa neste final de semana. Ao menos 80 prisioneiros políticos continuam encarcerados, dizem grupos de direitos humanos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Apesar dos protestos, começa a Olimpíada de Tóquio
Manhã na Clube: entrevista com o Presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP)
Em busca por vestígios de vida em Marte
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Mariz (Associação Brasileira de Energia Nuclear)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco