Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Moda

Indústria da Moda

Empresas de moda se comprometem a lutar contra mudança climática

Adidas, Burberry, H&M e o grupo de luxo Kering estão entre as marcas que prometeram reduzir emissões de gases de efeito estufa

Por: AFP

Publicado em: 19/12/2018 09:23 | Atualizado em: 18/12/2018 16:29

Descarte de materiais e emissão de gases estão entre alguns dos principais prejuízos da indústria da moda ao planeta. Foto: The True Cost/Reprodução
Descarte de materiais e emissão de gases estão entre alguns dos principais prejuízos da indústria da moda ao planeta. Foto: The True Cost/Reprodução ()

Ao menos 40 empresas da poluente indústria da moda - como Adidas, Burberry, H&M e o grupo de luxo Kering - se comprometeram na última semana a reduzir em 30% suas emissões de gases de efeito estufa até 2030, paralelamente à COP24 na Polônia. Esta “Declaração da indústria da moda para a ação climática”, impulsada pela ONU, inclui, entre outros objetivos, privilegiar os tecidos com baixo impacto sobre o clima, aplicar medidas de economia energética, usar transportes pouco poluentes e deixar de utilizar o carvão como fonte energética de suas fábricas até 2025.

O texto foi assinado durante a 24ª Conferência do Clima da ONU (COP24,) que é realizada na cidade polonesa de Katowice, por 43 empresas, incluindo marcas de roupa prêt-à-porter como Gap, mas também o grupo Kering (Gucci, Yves Saint Laurent, Balenciaga...) e o gigante do transporte marítimo, Maersk. A indústria da moda é a segunda mais poluente do planeta depois do petróleo e, segundo estimativas, representa 10% das emissões de CO2. “A indústria da moda sempre vai na frente no que diz respeito à definição da cultura mundial, de modo que me alegra ver que também mostra o caminho em termos de ação climática”, comentou em um comunicado a responsável pelo clima da ONU, Patricia Espinosa, chamando outros setores a seguirem o exemplo.

Stella foi um dos nomes que se posicionou a favor do comprometimento das marcas pelo bem do planeta. Foto: Reprodução da internet
Stella foi um dos nomes que se posicionou a favor do comprometimento das marcas pelo bem do planeta. Foto: Reprodução da internet ()
“Nossa história não é a melhor em termos de ação climática”, reconheceu à imprensa Stegan Seidel, responsável de desenvolvimento sustentável da Puma. “Desta vez queremos fazer isso bem”, disse. “Conseguir reduzir as emissões em 30% até 2030 vai requer inovação e colaboração”, admitiu em comunicado o diretor da Burberry, Marco Gobbetti. A estilista britânica Stella McCartney chamou seus pares da indústria “a assinarem agora esta declaração e tomarem as medidas necessárias” para aproveitar o que ela classificou como “a oportunidade de fazer a diferença”.
TAGS: industria | moda | planeta | clima |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Diabetes pode afetar a visão e provocar cegueira
Maduro: atitude passiva das autoridades policiais brasileiras
Primeira Pessoa com Sam Nóbrega
O esforço de Guilherme e a rede de solidariedade que surgiu
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco