Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

MARCAS PREFERIDAS

Capunga, a melhor cerveja artesanal

Publicado em: 15/12/2021 08:47 | Atualizado em: 17/12/2021 08:07

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
Um pouco mais de cinco anos, a cervejaria Capunga passou da aventura apaixonada de um grupo de amigos para se tornar um dos rótulos que mais fazem parte dos bons momentos dos consumidores pernambucanos. O que era uma pequena instalação com um barril de mil litros se tornou uma fábrica que produz, mensalmente, de 100 a 120 mil litros, carregando ainda um portfólio extenso de rótulo. Desbrava também novos mares, incluindo uma recente e bem-sucedida linha de destilados com identidade própria, muito bem consolidada em Pernambuco. A Capunga foi, pelo segundo ano consecutivo, destaque na pesquisa Marcas Preferidas.

A Capunga surgiu em 2015 e se desenvolveu em um momento de transformações nos hábitos de consumidores de bebidas no país, se adaptando e também contribuindo para dar um gostinho pernambucano nessa construção de sabor. “Vimos o mercado mudar bastante. Quando começamos, poucas pessoas conheciam cervejas artesanais. Mas as marcas foram chegando e nós conseguimos ajudar a difundir essa cultura. Esse próprio mercado novo também foi passando por mudanças nos últimos anos e também com a pandemia e fomos nos adaptando”, afirma Victor Lamenha Cabral, fundador da empresa.

Hoje, a Capunga consegue estar presente tanto nos mercados, como nos bares e no e-commerce, que chegou a representar 50% do faturamento da empresa. Vem a situação, vem a adaptação. Com a pandemia, a empresa buscou preços mais competitivos, com garrafas mais econômicas e com a chegada da Pilsen Puro Malte no mercado. Com o boom do consumo de gin no país, eles lançam o seu próprio em 2019, o Abyssal, equilibrando acessibilidade de preço com uma leveza que facilita a chegada de novos consumidores da bebida, com a marca se consolidando tão bem em pouco tempo e já sendo usada também em uma linha de vodkas.

“A pandemia fez necessário muita habilidade. No primeiro momento, utilizamos nossas instalações para produzir álcool em gel e suprir a deficiência do produto naquele primeiro momento. Com o abre e fecha em diversos segmentos, nos adaptamos melhor ao e-commerce, já trazendo noções que tínhamos prontas de marketing digital, tivemos resultados muito relevantes. Foi tudo muito desafiador, mas soubemos encarar de frente e de forma rápida, como pretendemos fazer em 2022, que acreditamos que será um ano melhor”, comenta Lamenha.

Hoje, a fábrica da Capunga ocupa um espaço de 500 m² em Igarassu, contando com um quadro de 50 colaboradores diretos e mais 20 indiretos. Com seus novos e avançados equipamentos, a empresa consegue produzir até 120 mil litros por mês e com capacidade de envasar 8 mil garrafas por hora. Os planos envolvem a expansão desse espaço, com a construção de uma nova destilaria, que por sua vez trará uma nova linha de gin.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Cada vez mais brasileiros procuram a medicina tradicional chinesa
Grupo Diario de Pernambuco