Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

VENDAS

Performance digital é a nova aposta do varejo

Por: Iris Costa

Publicado em: 06/09/2021 16:38

A boa conexão entre empresas e clientes é chave em um mercado em que as compras por delivery dos supermercados cresceram de 9% para 30% (Foto: Jogga/Divulgação)
A boa conexão entre empresas e clientes é chave em um mercado em que as compras por delivery dos supermercados cresceram de 9% para 30% (Foto: Jogga/Divulgação)

Já não é mais novidade que o e-commerce veio para ficar, principalmente depois do boom pandêmico. Receber uma feira completa em casa, sem precisar sair do conforto  do sofá, deixou de ser uma prática isolada. Consultas, pesquisas e serviços de qualquer natureza hoje começam a ser buscados pela internet antes mesmo da decisão pela compra ser tomada. Segundo pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), somente as compras de supermercado por delivery saltaram de 9% em 2019 para 30% neste ano, um crescimento acelerado e acima da média para o varejo.

De acordo com Raul Cantarelli, sócio-fundador da startup Jogga Digital, já se sabia como comprar, sushi, pizza, remédios e até cerveja por meio desses canais, mas o varejo despontou nesse tipo de segmento de entregas. “Apesar de já ser uma tendência pré-pandemia, convenhamos que ainda era uma prática de poucos. Acontece que, de repente, a adaptação virou regra e não opção e tanto os varejistas como os consumidores aprenderam rápido”.

Com cada vez mais público e negócios no ambiente digital, a Jogga Digital é um exemplo surgido da necessidade de conectar empresas e clientes. A empresa aposta em tráfego pago para fazer com que a venda aconteça através da internet. E é um modelo de negócio que se diferencia das agências digitais porque o foco é 100% na chamada performance digital.

“Nós não trabalhamos com conteúdo de redes sociais ou campanhas institucionais. A Jogga é voltada para geração de oportunidades de venda através do meio digital. A gente busca na internet os possíveis clientes dos nossos clientes, para que a partir daí seja gerada uma venda, seja delivery ou qualquer tipo de serviço”, comentou.

Através dos aplicativos de entrega ou com o próprio serviço, as empresas investiram nos canais digitais e logísticos e se adaptaram rapidamente, independentemente do porte. “Hoje é possível receber essa compra completa em poucas horas, com direito a escolher o canal para o pedido, por aplicativos de entrega, apps próprios, e-commerce ou WhatsApp. Os dados mostram, através de ticket médio, que é isso que os consumidores estão fazendo”, explicou Raul.

Um dos exemplos, na Região Metropolitana do Recife, é o Deskontão Atacado, cliente da Jogga Digital. A rede pernambucana, que faz parte do Grupo Karne e Keijo, viu na pandemia a oportunidade de digitalizar seu negócio, construindo em 45 dias uma plataforma que pudesse potencializar as vendas por e-commerce. “Não foi algo planejado, mas esse esforço foi possível graças a uma equipe que fez com que essa ideia desse certo”, afirmou o presidente do grupo, Inácio Miranda.

Esse movimento, conclui Cantarelli, faz parte de uma “guerra” que saiu dos outdoors e panfletos, passou oficialmente para o Google e Facebook. “Essa nova adaptação do mercado trouxe mais competitividade e oportunidades para aqueles que fazem bem feito”, pontuou.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Tudo pronto para o lançamento da primeira viagem espacial para turistas
Manhã na Clube: entrevistas com Alberto Feitosa (PSC), Sérvio Fidney e Ana Holanda
Grupo Diario de Pernambuco