Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

CUSTO DE VIDA

Cesta Básica da Região Metropolitana do Recife subiu 5,06% em novembro

Publicado em: 13/11/2020 13:44 | Atualizado em: 13/11/2020 13:52

A pesquisa foi realizada pelo Procon-PE entre os dias 3 a 9 de novembro.
 (Foto: Arquivo DP)
A pesquisa foi realizada pelo Procon-PE entre os dias 3 a 9 de novembro. (Foto: Arquivo DP)
A Cesta Básica na Região Metropolitana do Recife (RMR) subiu 5,06% no mês de novembro. Esse é o terceiro mês consecutivo que a cesta aumenta. A pesquisa, realizada pelo Procon Pernambuco, demonstrou que a cesta passou de R$ 471,90, em outubro, para R$ 498,32 em novembro. A cesta básica tem um impacto de 47,69% no salário mínimo. A pesquisa foi realizada entre os dias 3 a 9 de novembro.

Dos 27 produtos pesquisados, 15 subiram de valor. Os alimentos que mais subiram de preço foram:  o leite em pó, que passou de R$ 2,49 para R$ 3,99, um aumento de 60,24%; o quilo da batata inglesa, que aumentou de R$ 1,99 para R$ 3,09 (55,28%), e o quilo da salsicha, em 25,48%, passando de R$ 6,24 para R$ 7,83.  Já a charque e a carne de segunda caíram de preço, 8,04% e 11,94%, respectivamente. No setor de limpeza e higiene, os que apresentaram alta foram: água sanitária (18,35%) e o sabonete (16,95 %).

Mesmo apresentando que 11 produtos baixaram de valor, o Procon-PE reforça que é preciso pesquisar. De um estabelecimento para o outro o consumidor pode encontrar diferença percentual de até 370,59%, no caso do quilo da cebola, e de 413,3%, a exemplo do sabão em pó. "Essa é mais uma importante ferramenta que o governo de Pernambuco dispõe ao consumidor para que ele possa economizar e comprar com segurança. Pesquisar antes de comprar continua sendo fundamental", afirma o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico.

O levantamento feito pelo órgão de defesa do consumidor passou por 20 estabelecimentos, nos municípios de Recife, Olinda, Paulista, Camaragibe, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca. A análise dos preços é feita em 27 itens, entre alimentação, limpeza doméstica e higiene pessoal.

O levantamento toma como base a cesta básica mensal para uma família composta por quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças. O diferencial da pesquisa do órgão de defesa do consumidor, em relação as que são realizadas por outros institutos, é que neste levantamento é possível identificar o preço de cada item por estabelecimento e, desse modo, fornecer ao consumidor os locais e endereços onde o produto encontra-se mais acessível. A pesquisa pode ser encontrada no site do Procon.

Pandemia

O Procon Pernambuco fez um levantamento para analisar quais os produtos que mais subiram de preço desde o início da pandemia da Covid-19. Foram comparados os valores que estavam sendo praticados no mês de março com os praticados em outubro. Dos 27 produtos, que fazem parte da cesta básica pesquisada pelo órgão, 18 subiram de preço. Os que tiveram maior destaque foram: óleo de soja (84,83%) e o arroz (62,86%).
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Entrevista com o governador Paulo Câmara
Um milhão de doses da CoronaVac chegam em São Paulo
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 03/12
Vídeo mostra confusão envolvendo agentes da CTTU em Santo Amaro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco