Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Cana

Em meio à crise, cooperativa que assumiu antiga Usina Cruangi tem recorde em safra

Publicado em: 28/06/2020 09:52

 (Foto: COAF/Divulgação)
Foto: COAF/Divulgação

Em meio à crise gerada pela pandemia da Covid-19, agricultores da Cooperativa do Agronegócio dos Fornecedores de Cana (COAF) tiveram o que comemorar em 2020. A cooperativa de 1,7 mil canavieiros decidiu, em assembleia realizada no último dia 22 de junho, dividir R$ 7,8 milhões de sobras do faturamento da unidade na última safra, exercício 2019/ 2020, além de R$ 200 mil de sobras da unidade matriz no Recife, que serão distribuídos baseados na compra de insumos. Desde 2015, quando arrendaram a antiga Usina Cruangi, em Timbaúba, esta é a maior sobra de exercícios a que tiveram direito: R$ 9,10 por tonelada de cana.

O valor dos R$ 9,10 será somado aos R$ 30 médios de bonificação já pagos ao fornecedor na safra e ao valor da ATR (Açúcar Total Recuperado), em torno de R$ 11. “Somado com a partilha das sobras da Coaf, o preço médio por tonelada da cana na safra ficará em R$ 145,51, de forma que nossa usina fica sendo, em apenas cinco safras, uma das que melhor remunera pela cana o fornecedor em todo o país”, explica o presidente da cooperativa, Alexandre Andrade Lima.

No ano passado, o valor da sobra de exercício foi inferior a R$ 1. Alguns dos motivos de um crescimento tão significativo, de acordo com Alexandre, são a gestão ativa, colaboração dos cooperados e investimento no parque industrial (cerca de R$ 10 milhões no último ano). “Dentre estas modernizações, fizemos a troca das moendas que passaram a ter motores elétricos, automatização da caldeira e destilaria, por exemplo”, detalha Alexandre.

Outro grupo que também parece seguir os passos da COAF na questão administrativa e organizacional é a Cooperativa de Produtores de Cana de Açúcar da Mata Sul (COOAFSUL). Nesta semana, eles assinaram o contrato para o arrendamento da Usina Estreliana, em Ribeirão. Com investimento de R$ 7 milhões, a iniciativa visa gerar 2,3 mil postos de trabalho na Mata Sul. A moagem deve começar em meados de setembro.

A previsão da Cooperativa Agroindustrial de Fornecedores de Cana (COOAFSUL), responsável pela iniciativa, é de esmagar 500 mil toneladas de cana e produzir etanol inicialmente. Representando o governador Paulo Câmara, o deputado estadual licenciado e secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco, Aluisio Lessa, lembrou o ano de 2015, quando o governador disponibilizou o crédito presumido de 18% para a reabertura das cooperativas. 

"Demos a nossa contribuição para a reativação da COAF/Cruangi e da Pumaty. Trabalhar para gerar desenvolvimento econômico, emprego e renda em Pernambuco é a nossa missão na política", afirmou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco