Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

EMPRESARIADO

Confiança do empresário reduz menos com início da flexibilização

Publicado em: 26/06/2020 16:31

Confiança teve redução menos intensa por conta da flexibilização das atividades econômicas (Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP)
Confiança teve redução menos intensa por conta da flexibilização das atividades econômicas (Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP)
O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) de Pernambuco mostrou redução pelo terceiro mês consecutivo, com uma redução menos intensa do que a verificada entre abril e maio. O indicador atingiu queda mensal de -1,4%, saindo de 73,9 para 72,9 pontos. A baixa variação mensal reflete o início da flexibilização das restrições impostas ao comércio não essencial no final de março, onde quase 60% dos estabelecimentos comerciais do Estado foram fechados com a possibilidade de vendas apenas por canais digitais. O indicador permanece, entretanto, na zona de avaliação negativa, abaixo dos 100 pontos, o que não era verificado desde julho de 2018.

Especialistas destacam que o cenário de combate a pandemia impôs impactos duros ao setor produtivo, com o avrejo pernambucano apresentando queda superior a 6 bilhões de reais no faturamento entre março e junho. Com o retorno das atividades e a possibilidade de início de reversão dos prejuízos, a confiança do empresário passa a deteriorar de maneira menos intensa. Apesar da queda em proporção menor, entretanto, esta é a menor confiança da série histórica iniciada em 2011, ficando atrás apenas do resultado de maior de 2016, quando o indicador estava em 72,5. O indicador permanece também na zona de avaliação negativa, abaixo dos 100 pontos, o que não era verificado desde julho de 2018. O recuo continua expressivo quando se compara com o mesmo período de 2019, com variação negativa de 30,9%.
 
O recuo em Pernambuco foi menor do que o nacional, visto que a confiança do empresarial a nível Brasil atingiu os 66.7 pontos em junho. Estados com alta relevância econômica como os do Sul e Sudeste, por sua vez, apesar do início de flexibilização, começam a apresentar elevação da infecção no período e recuar nas medidas de flexibilização, o que tem influenciado na confiança dos empresários do setor nestas unidades da federação e puxam para baixo a variação entre os meses de maio e junho. A Confederação Nacional do Comércio (CNC) estimou uma queda no faturamento superior a R$ 200 bilhões no comércio brasileiro até o início de junho, o que contribui para que o setor visualize a conjuntura atual e a futura de uma maneira mais negativa.
 
Quando se analisa os sub indicadores da pesquisa, verifica-se quase todas as avaliações apresentaram recuo. Com as maiores quedas, conforme esperado, naqueles que medem as condições atuais da economia, da empresa e do setor de comércio, atingindo em junho queda de -30,7%. Segundo os empresários, além das condições correntes, o nível de investimentos e de estoque ainda se mostram em situação crítica.  Por outro lado, e mais uma vez refletindo os efeitos do início de flexibilização do varejo no estado, as avaliações em relação às expectativas do empresário em relação a economia brasileira, ao setor do comércio e as empresas comerciais tiveram variação positiva. Além disso, o indicador de contratação de funcionários também voltou a ter variação positiva.
 
Para o próximo mês, a expectativa é que a confiança do empresário ainda apresente recuo, repetindo a intensidade baixa e com continuidade na zona de avaliação negativa.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco