Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

EFEITO

Empresa de respiradores para UTI tem salto em pedidos após coronavírus

Publicado em: 20/03/2020 20:39

 (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O surto de coronavírus, que em casos graves coloca pacientes nas UTIs de hospitais, fez crescer a demanda por aparelhos de respiração assistida. E evidenciou ainda o tamanho reduzido da indústria nacional desse tipo de equipamento - ao menos para enfrentar uma pandemia.

A fábrica brasileira KTK teve um salto no número de encomendas. Os pedidos começaram a crescer na semana passada, mas foi só a partir desta segunda-feira (16) que a procura se intensificou. Esta quinta (19) foi o dia mais movimentado, segundo relatos de funcionários da empresa.

A companhia não quis conceder entrevistas e tampouco abriu os números do aumento de pedidos e da produção desde que o coronavírus se espalhou pelo mundo. Mas chegou a relatar à reportagem que houve uma demanda da Itália, que tentava importar respiradores para atender os doentes do país.

A KTK estava aguardando a chegada de componentes importados para pode atender a todos os pedidos.

Já foram registrados 41.035 doentes e 3.405 mortos na Itália. O Brasil tem 621 pessoas diagnosticadas e 7 mortos pela doença.

A KTK foi fundada em 1951 pelo médico Kentaro Takaoka, segundo o site da empresa. Segundo o depoimento, Takaoka era um jovem médico anestesista "cansado de tantos obstáculos que dificultavam a prática de sua profissão". Isso teria motivado o médico a desenvolver um aparelho para ventilação artificial controlada. O primeiro aparelho foi lançado em 1955.

A outra empresa do setor localizada pela reportagem foi a Magnamed. Os executivos também preferiram não conceder entrevista.

A falta de respiradores, e não de leitos de UTI, é considerada o grande gargalo para o atendimento de pacientes graves afetados pelo novo coronavírus.

"Estamos discutindo se dá para fazer algum acordo com a China. Hoje, para comprar aparelho, vamos ter que competir com a toda Europa", afirmou o infectologista David Uip.

A produção industrial da China caiu mais de 12% em janeiro e fevereiro, na comparação com igual período de 2019, em uma forte ação para conter a expansão da epidemia.

Não há dados sobre a retomada da produção no país asiático. Uip comanda o comitê paulista de enfrentamento ao coronavírus e disse à Folha de S.Paulo nesta quinta que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pediu para que ele acionasse as empresas nacionais.

Na terça (17), o Ministério da Economia zerou a alíquota de importação para 50 produtos médicos e hospitalares que estão sendo usados no combate ao coronavírus, entre eles os respiradores.

A lista também contém produtos como luvas médicos-hospitalares, álcool em gel, máscaras, termômetros clínicos, roupas de proteção contra agentes infectantes e óculos de segurança.

Em 2019, os produtos que fazem parte da lista tiveram importação de cerca de US$ 1,3 bilhões, os aparelhos respiradores que tiveram a tarifa zerada correspondem a US$ 43 milhões desse montante. As alíquotas dos aparelhos chegavam a 15%.

A medida que zerou as tarifas segue até o dia 30 de setembro de 2020.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Dr. Luiz Carlos Santos
Rhaldney Santos entrevista Dra. Rebecca Spinelli
Rhaldney Santos entrevista Thiago Santos (UP)
Aprenda a treinar a mente com exercícios que previnem doenças e turbinam os neurônios
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco