Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

ALIMENTAÇÃO

Cesta básica apresentou elevação de 3,10%

Publicado em: 30/03/2020 17:32

A elevação da cesta nos três primeiros meses de 2020 foi de 10,03%, o que representou um aumento de R$ 39,48. (Foto: Tarciso Augusto/Esp.DP)
A elevação da cesta nos três primeiros meses de 2020 foi de 10,03%, o que representou um aumento de R$ 39,48. (Foto: Tarciso Augusto/Esp.DP)
O DIEESE divulgou dados parciais da cesta básica do mês de março, nacional e do Recife. Os valores são parciais tendo em vista que a coleta de preços foi suspensa no dia 18, na terceira semana da pesquisa de campo. Neste período, o custo apresentou elevação de 3,10%, passando de R$ 420,27 para R$ 433,28, um incremento de R$ 13,01. A elevação da cesta nos três primeiros meses de 2020 foi de 10,03%, o que representou um aumento de R$ 39,48. Em doze meses, registrou-se um aumento de R$ 31,93 (7,96%).

O custo da cesta no mês em estudo comprometeu 44,82% do salário mínimo líquido só com alimentação. A média nacional deste mesmo indicador foi de 47,95%. Em fevereiro de 2020, o conjunto de alimentos básicos comprometia 43,71% do salário mínimo, já descontados os valores da previdência social. O montante gasto na compra da cesta básica para uma família composta por dois adultos e duas crianças (que consomem o equivalente a um adulto) foi de R$ 1.299,84, o que correspondeu a 1,24 salários mínimos vigentes em março de 2020. A jornada de trabalho exigida para comprar os produtos que compõem a cesta básica foi de 91h13m. 

Em relação a fevereiro de 2020, o tempo de trabalho necessário era de 88h29m, duas horas e quarenta e quatro minutos a menos que o registrado no mês em análise. Em relação a março de 2019, o tempo necessário para adquirir os alimentos básicos era de 88h28m, duas horas e quarenta e cinco minutos a menos que o observado no mês passado.

Em março, oito dos doze produtos que compõe a cesta básica apresentaram elevação: o tomate (19,83%), o óleo de soja (7,31%), o pão francês (5,27%), o feijão (5,05%), o leite (5,00%), o arroz (3,04%), o açúcar (0,88%) e a farinha de mandioca (0,29%). Registraram redução no preço médio a banana (6,68%), o café (4,45%), a carne (2,95%) e a manteiga (1,91%).

Nos três primeiros meses de 2020, oito produtos tiveram aumento nos seus preços médios: o tomate (56,02%), o feijão (18,52%), o óleo de soja (12,62%), o arroz (8,55%), o pão francês (7,38%), a farinha de mandioca (5,88%), o açúcar (3,60%) e a banana (2,03%). Apresentaram declíno no preço médio o café (6,28%), a manteiga (3,56%), a carne (1,15%) e o leite (0,56%). Em 12 meses, registrou-se elevação no preço da carne (26,01%), do leite (17,05%), do óleo de soja (15,48%), do tomate (13,54%), do arroz (11,57%), do açúcar (7,98%), do pão francês (4,94%), da banana (3,51%) e da manteiga
(0,85%). As reduções foram registradas para o do feijão (32,25%), o café
(7,57%) e a farinha de mandioca (2,29%)

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Dr Carlos Romeiro, ortopedista
Rhaldney Santos entrevista Celso Muniz (MDB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #181 - Tiops de rins dos vertebrados
Rhaldney Santos entrevista Dr. Felipe Dubourcq, urologista
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco