Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

CONSUMER VIEW

Renda extra informal sustenta volta do consumo de supérfluos, diz pesquisa

Por: FolhaPress

Publicado em: 06/11/2019 13:41

 (Foto: Pixabay)
Foto: Pixabay
O consumidor brasileiro está conseguindo voltar a comprar supérfluos, como produtos de higiene, beleza e vestuário. Essa retomada do consumo, para além de contas básicas e pagamento de dívidas, vem de lares com algum tipo de renda informal. 

O estudo 360º Consumer View, divulgado nesta quarta-feira (6) pela Nielsen, atribui a esse tipo de trabalho o espaço para as famílias voltarem a comprar. Somente entre os que têm renda informal, seja ela a única ou não, houve aumento no volume e no valor dessas despesas.

"Lares com renda informal retomaram a compra de mimos graças à alternativa de renda. Antes o consumidor vivia apenas reduzindo despesas e enxugando o orçamento. Está havendo uma mudança de comportamento", afirmou o especialista da Nielsen, Ricardo Alvarenga.

A especialista em entendimento do consumidor da Nielsen, Patrícia Coelho de Almeida, explica que além do aumento nos gastos primários, que inclui um avanço nas despesas com produtos não-duráveis, como artigos de beleza, higiene e manicure, há também um movimento de comprar mais produtos que ofereçam algum ganho adicional.

Nesse segmento, Patrícia destaca itens como água micelar, iogurtes proteicos, pães e cafés especiais. "Se você [empresa] não consegue entregar uma performance superior, o consumidor vai priorizar o baixo preço", explica. 

No geral, considerando todos os perfis, o brasileiro continua muito endividado e com pouca flexibilidade diante de um orçamento 58,9% comprometido com gastos primários. Em 2018, eram 57,9%.

É justamente nesse cenário que a renda informal passou a ser uma alternativa para o consumo e para o pagamento das contas básicas, explica a especialista da Nielsen. "Vemos que 38% dos lares adotaram uma renda informal e 56% dos que tem uma renda informal têm também emprego formal."

Essas famílias, diz a Nielsen, continuam endividadas, mas já conseguem balancear as despesas, de modo a encontrar espaço para consumir produtos que tinham sido deixando em segundo plano. 

O Brasil tem 16 milhões de lares com trabalhadores com algum tipo de renda informal, segundo a Nielsen.

Para 9 milhões, essa renda a é complementar, e pode vir de prestação de serviços como entregas, venda direta ou um negócio próprio.

Em 7 milhões, o rendimento é totalmente informal e corresponde a um valor 40% menor, em média, ante aos salários recebidos no mercado. O aumento na informalidade está ligado ao desemprego formal, que ainda persiste.

O perfil de consumo varia de acordo com a situação do trabalhador no mercado de trabalho. Os que estão na formalidade são considerados mais conservadores; buscam marcas conhecidas e canais convencionais.

Nas famílias com ao menos um desempregado, as despesas primárias consomem 65% do orçamento, sobrando menos para festas, alimentação fora de casa, saúde e investimentos. Esse grupo corresponde a 9% da população e está concentrado principalmente na Grande São Paulo  

Na média geral, segundo a Nielsen, as famílias gastam 16,3% da renda com esses gastos considerados secundários. Onde algum integrante está desempregado, o percentual recua para 14,4%.

Os dados foram calculados a partir de um painel com 53,4 milhões de domicílios cadastrados e que são visitados por auditores periodicamente, a fim de verificar tendências de consumo.

Para a Nielsen, os dados mostram espaço para expansão em segmentos que consigam comunicar benefícios aos consumidores.

O preço e a relação entre o custo e a qualidade continuam sendo o principal atributo na hora de optar por um produto, mas outras questões como alto padrão de qualidade (47%), performance superior (46%), oferecer algo que outro não ofereça (41%) e ser orgânico ou ter 100% de ingredientes naturais (36%) são citados como características que variam os consumidores pagarem mais por um mesmo item.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Notícias do dia: fuga em massa, jovem picado por naja e adeus à Maria do Carmo Monteiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Após explosão de muro, presos fogem da Penitenciária de Limoeiro
Estudo revela potenciais danos cerebrais decorrentes da Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco