Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

SESSÃO

Reforma da previdência dos militares é aprovada na CCJ da Câmara

Publicado em: 19/11/2019 19:50

 (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Em meio à expectativa de votação da admissão da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) número 410 de 2018, que regulamenta a prisão após julgamento em segunda instância, deputados aprovaram, na reunião ordinária desta terça, a redação final da reestruturação de carreira de militares, o Projeto de Lei número 1.645 de 2019, batizado de reforma da previdência dos militares, que agora, vai à apreciação no Senado. O texto conta com grande insatisfação de praças e das forças estaduais da Polícia Militar e dos Bombeiros.
 
A tramitação é consequência da derrota sofrida pela oposição, que tentou levar o texto ao plenário em 6 de novembro, mas não conseguiu. Em 29 de outubro, a comissão especial que debate o PL aprovou o texto em caráter conclusivo, garantindo que a reestruturação fosse direto para o Senado após aprovação na CCJ. A sessão em questão foi conturbada e cheia de protestos de militares e parentes de militares de patentes mais baixas. 

Durante a aprovação, parte dos praças xingou o presidente da república de “traidor”. O texto, de autoria do Poder Executivo, altera o Estatuto dos Militares no que diz respeito às pensões da classe, além de alterar o tempo de promoções de oficiais na ativa e os requisitos para ingresso nos cursos de formação das Forças Armadas. A expectativa é de uma economia de R$ 10,4 bilhões em 10 anos e R$ 33 bi em 20 anos.

A principal queixa e o ponto fraco explorado pela oposição durante os debates foi a disparidade entre o reajuste de oficiais e de praças. Parte das gratificações que o PL prevê têm como pré-requisito cursos que não estão à disposição de todos os militares, por exemplo. Com o aumento da contribuição, a aposentadoria da classe, os que não receberão benefícios temem a redução dos vencimentos. 

Segunda instância
A sessão começou por volta de 15h, e não demorou a terminar. No fim, o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), convocou reunião extraordinária para debater a Pec da prisão em segunda instância às 16h45. Porém, o encontro não aconteceu e ficou acertado que a reunião retornaria após a ordem do dia no plenário da Câmara. O principal motivo do atraso, nos bastidores, é a insegurança jurídica provocada pela proposta.

Tanto é que o autor da proposta, Alex Manente (Cidadania-SP), está colhendo assinaturas com ajuda da relatora do texto, Caroline de Toni (PSL-SC), para uma nova PEC, de número 411 de 2018, e que altera os artigos 102 e 105 da Constituição Federal, fazendo com que o julgamento em segunda Instância seja considerado transitado em julgado sem alteração de cláusula pétrea, que é o que ocorre no texto atual.

A intenção é reduzir a polêmica em cima do tema e conquistar parlamentares indecisos, aumentando o consenso sobre a matéria. A estratégia da oposição é adiar ao máximo a votação da admissibilidade. No fim, a presidência da CCJ e até Manente e Caroline de Toni acabaram colaborando circunstancialmente com os partidos de esquerda. Isso porque precisam que Francischini segure o texto para que, com as assinaturas, a nova PEC seja protocolada na mesa diretora.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Dem-RJ), ainda precisará avaliar o novo texto e decidir se ele começará a tramitação do zero ou poderá ser apensado como querem os governistas. Nesse caso, a PEC 410 não pode avançar na admissibilidade, pois, por regra, o texto só pode ser apensado a um que esteja no mesmo ponto de tramitação. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco