Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

INVESTIMENTO

'Há desequilíbrio em desfavor do Brasil no banco dos Brics', diz Bolsonaro

Publicado em: 14/11/2019 14:53

 (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Foto: Marcos Corrêa/PR
O presidente Jair Bolsonaro argumentou nesta quinta-feira (14) que existe um "desequilíbrio em desfavor do Brasil" na carteira de investimentos do NDB (Novo Banco de Desenvolvimento), o banco dos Brics.

"Os números mostram que é preciso trabalharmos juntos para superar o desequilíbrio em desfavor do Brasil na carteira de investimentos do NDB", declarou o presidente, numa sessão em que foram entregues relatórios das atividades da instituição financeira para os chefes de governo dos cinco países que compõem os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). 

Estavam presentes na reunião com Bolsonaro, realizada no Palácio do Itamaraty em Brasília, os presidentes Vladimir Putin (Rússia) e Cyril Ramaphosa (África do Sul), além do premiê Narendra Modi (Índia) e do dirigente da China, Xi Jinping.  

"O banco [NDB] é um dos resultados mais visíveis dos Brics e um aliado importante no esforço por um adequado financiamento de infraestrutura sustentável", acrescentou Bolsonaro. 

O Brasil é o país que menos recebe financiamentos do Novo Banco de Desenvolvimento. Os cinco países dos Brics aportaram o mesmo valor no NDB, US$ 2 bilhões cada um, dos quais a metade já foi integralizada.

No entanto, a concessão de crédito tem sido desproporcional. China e Índia receberam cerca de 30% dos repasses cada um, África do Sul, 16%, e Rússia, 14%. 

Para o Brasil, foi destinado um total de US$ 1,12 bilhão, equivalente a 9% do total emprestado pelo banco.

O banco oferece crédito por prazos longos, de até 30 anos, a juros que estão muito abaixo dos cobrados no mercado.

A presidência da instituição atualmente é exercida pelo indiano K. V. Kamath, também presente na reunião dos Brics em Brasília. 

Pelas regras estabelecidas pelos cinco países, um brasileiro deverá assumir o cargo em meados do próximo ano. 

"Estejam certos do nossos especial empenho em indicar alguém que possa trabalhar ativamente para que o banco se consolide definitivamente e cumpra suas funções institucionais", declarou o presidente Bolsonaro sobre tema. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Notícias de 02/07- Brasil passa das 60 mil mortes, prefeito tem bens bloqueados e conta de luz
Véu, grinalda e... máscara!
Morre Georg Ratzinger, irmão de Bento XVI
01/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco