Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Economia

PESQUISA

Emprego formal tem melhor resultado desde 2014, aponta Caged

Publicado em: 22/11/2019 08:29 | Atualizado em: 22/11/2019 11:37

 (Valdecir Galor/SMCS/Fotos Publicas)
Valdecir Galor/SMCS/Fotos Publicas
Beneficiada pelo comércio e pelos serviços, a criação de empregos com carteira assinada registrou, em outubro, o sétimo mês seguido de desempenho positivo. Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, 70.852 postos formais de trabalho foram criados no último mês. O indicador mede a diferença entre contratações e demissões. É o sétimo mês consecutivo que o país registra a abertura de vagas.

Esse foi o melhor nível de criação de postos de trabalho para outubro desde 2016, quando as admissões superaram as dispensas em 76.599. A criação de empregos totaliza 841.589 de janeiro a outubro, 6,45% a mais que no mesmo período do ano passado. A geração de empregos atingiu o maior nível para os dez primeiros meses do ano desde 2014, quando tinham sido abertas 912.287 vagas no acumulado de dez meses.

Setores
Na divisão por ramos de atividade, cinco dos oito setores pesquisados criaram empregos formais em outubro. O campeão foi o comércio, com a abertura de 43.972 postos, seguido pelos serviços, 19.123 postos. Em terceiro lugar, vem a indústria de transformação com a criação de 8.946 postos de trabalho.

O nível de emprego aumentou na construção civil com a abertura de 7.294 postos e na indústria extrativa mineral, 483 postos. No entanto, três setores demitiram mais do que contrataram: agropecuária, com o fechamento de 7.819 postos; serviços industriais de utilidade pública, categoria que engloba energia e saneamento, 581 postos, e administração pública, 427 postos.

Tradicionalmente, a geração de emprego é mais baixa em outubro. O mês costuma ser marcado pelo reforço no comércio para as contratações de fim de ano. No entanto, a indústria, que reforçou a produção em agosto e em setembro por causa do Natal, desacelera. A agropecuária também dispensa empregados por causa do fim da safra de diversos produtos, como a cana-de-açúcar e café.

Destaques
No comércio, a criação de empregos foi puxada pelo segmento varejista, com a abertura de 36.732 postos formais. O comércio atacadista gerou a abertura de 7.240 vagas. Nos serviços, os destaques foram venda e administração de imóveis, com 14.040 postos; transportes e comunicações, 4.348 postos, e serviços médicos, odontológicos e veterinários, 3.953 postos.

Na indústria de transformação, a criação de empregos foi impulsionada pela indústria de produtos alimentícios e de bebidas, com 3.344 postos; pela indústria de calçados, 1.890 postos, e pela indústria madeireira e de móveis, com 1.166 postos de trabalho.

Regiões
Todas as regiões brasileiras criaram empregos com carteira assinada em outubro. O Sul liderou a abertura de vagas, com 27.304 postos, seguido pelo Sudeste com 21.776 postos e pelo Sudeste com 15.980 postos. O Norte criou 4.315 postos de trabalho e o Centro-Oeste abriu 1.477 postos formais no mês passado.

Na divisão por unidades da Federação, 23 estados geraram empregos no mês passado. As maiores variações positivas no saldo de emprego ocorreram em Minas Gerais com a abertura de 12.282 postos; São Paulo, 11.727 postos; Santa Catarina, 11.579 postos, e Rio Grande do Sul, 8.319 postos de trabalho. As unidades da Federação que registraram o fechamento de vagas formais foram Rio de Janeiro, 9.942; Distrito Federal, 1.365; Bahia, 589, e Acre, 367.

Média salarial
O maior salário médio de admissão no mês de outubro ocorreu na administração pública, registrando o montante de R$ 2.611,13. O menor salário de admissão ficou com a agropecuária, com R$ 1.360,10.

Novas modalidades
Também foi registrada a criação líquida de 6.087 empregos com contrato intermitente em outubro. A de contratação registrou admissão total de 14.254 trabalhadores em outubro, ao mesmo tempo em que houve 8.167 demissões. 2.569 vagas pelo sistema de jornada parcial, as duas modalidades foram criadas pela reforma trabalhista.

O trabalho intermitente é esporádico, realizado em dias alternados ou por algumas horas, remunerado por período trabalhado. O trabalho parcial inclui contratações de até 26 horas semanais com restrições na hora extra ou até 30 horas por semana sem hora extra. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Maria, mãe de um povo ferido
Confira a estreia do programa In set
Educação humanizadora e não violência nas escolas
João e os 50 anos de colunismo social
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco