Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

MEDIDA

Ajufe entra com ação no STF contra pontos da reforma da Previdência

Publicado em: 13/11/2019 18:35

 (Foto: Agência Brasil)
Foto: Agência Brasil
Com as novas regras previdenciárias em vigor, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar derrubar pontos da reforma da Previdência. A entidade atuou fortemente no Congresso para tentar mudar o texto enviado pelo governo em fevereiro, e durante a tramitação da PEC sinalizou que apelaria ao Judiciário caso o Parlamento desse aval à nova Previdência da forma proposta pela equipe de Paulo Guedes, ministro da Economia.

No processo apresentado ao Supremo, a Ajufe mira as alíquotas progressivas da contribuição previdenciária, que, para a entidade, têm efeito confiscatório. Na nova Previdência, há um sistema de alíquotas que vão de 7,5% a 22%. Os trabalhadores que recebem salário maior vão contribuir com mais - até 14% no INSS e até 22% no serviço público federal, nos casos em que o salário supera o teto constitucional de R$ 39,2 mil mensais.

Para a associação, esse novo sistema vai contra preceitos da Constituição Federal e é injusto com os servidores. A Ajufe afirma que, com a medida, o "ônus do déficit" previdenciário foi repassado aos servidores públicos federais, mesmo que outras medidas já tenham sido adotadas para equalizar os gastos e a arrecadação dentro do Regime Próprio de Previdência Social, alega, referindo-se a criação da Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público (Funpresp).

"Está sendo criada contribuição previdenciária progressiva que imputa ônus a contribuintes sem que haja qualquer perspectiva ou qualquer necessidade de contrapartida adicional", afirma a entidade. Para a Ajufe, falta ainda um tratamento "isonômico" entre os servidores e o trabalhadores de fora do serviço público já que os enquadrados no regime geral estão submetidos a uma alíquota de 7,5% até 14%, limite que pula para 22% no caso dos servidores federais.

"Ocorre que essas alterações não estão em consonância com o que dispõe a Constituição Federal e as bases do sistema da Previdência Social", afirma. Em nota, o presidente da Ajufe, Fernando Mendes, afirma que a cobrança vai criar uma "divergência no regime previdenciário da magistratura", uma vez que os magistrados da União vão ter uma alíquota progressiva e os estaduais não. "Além disso, com quase 30% de contribuição os servidores federais vão sofrer uma nova configuração de confisco sob o fruto do seu trabalho", diz.

Na ação, a entidade pede que o Supremo suspenda os dispositivos liminarmente, o que poderá ser feito ou não pelo ministro que for sorteado relator, de forma individual. Ele pode escolher também levar a ação diretamente ao plenário do STF, para ser analisada pelos 11 ministros.

Em nota, a Ajufe avisou que também questionará na Suprema Corte outros pontos da reforma. "Outras entidades que compõem a Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público devem ingressar com ADIs no STF nesta semana", afirma.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Louvre reabre com público reduzido após mais de três meses fechado
De 1 a 5: Práticas para cuidar da saúde mental em casa
06/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Músico vence limitações do distanciamento social oferecendo shows particulares por encomenda
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco