reforma da previdência Pode haver análise de voto em separado e de destaque sobre reforma, diz Tasso

Por: Agência Estado

Publicado em: 01/10/2019 10:10 Atualizado em:

Waldemir Barreto/Agência Senado
Waldemir Barreto/Agência Senado
O relator da reforma da Previdência, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), chegou na manhã desta terça-feira, 1º de outubro, no gabinete da presidente da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), senadora Simone Tebet (MDB-MS), para reunião que discute os procedimentos e encaminhamentos da votação da reforma nesta data.

Na chegada, ao ser perguntado sobre as possibilidades de votação na CCJ, Jereissati afirmou que pode haver análise de voto em separado e de destaque. "Voto em separado parece que tem um; pode (ter) voto em separado e destaque também pode", disse, sem especificar de quem seria o voto em separado nem qual seria o destaque.

Na segunda-feira, 30, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou que duas tentativas de alteração do relatório preocupam, pois podem modificar a proposta aprovada na Câmara e desidratar ainda mais a economia fiscal da reforma da Previdência.

A oposição vai se concentrar em duas tentativas de mudanças: retirar o sistema de pontos (idade mínima, tempo de contribuição e tempo de serviço) para aposentadorias especiais por agentes nocivos e manter o abono salarial para todos os trabalhadores que recebem até dois salários mínimos.

A reunião nesta manhã conta com a participação de lideranças e do secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. O encontro antecede a análise pela CCJ do novo parecer do relator, apresentado há duas semanas. Depois da votação na CCJ, a expectativa é de que a reforma seja votada em primeiro turno ainda nesta terça-feira pelo plenário do Senado.

Na CCJ, são necessários pelo menos 14 dos 27 votos - maioria simples - para a aprovação do relatório, e o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), estima ter pelo menos 19 votos favoráveis ao texto. Já no plenário do Senado, são necessários pelo menos 49 votos de um total de 81 senadores.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.