Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Licitações

Petrobras tem menor fatia em leilões de concessão de petróleo sob regras atuais

Por: FolhaPress

Publicado em: 10/10/2019 22:08

Foto: Divulgação (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação (Foto: Divulgação)
A Petrobras fechou a 16ª rodada de licitações da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), nesta quinta-feira (10) com a menor participação em leilões de concessão de áreas petrolíferas desde a mudança nas regras promovida pelo governo Michel Temer, em 2016.

O recuo é visto como parte da estratégia de focar no desenvolvimento de reservas do pré-sal, que serão alvo de dois leilões da ANP em novembro.

Nesta quinta, a estatal ofereceu apenas dois lances por áreas na Bacia de Campos e acabou ficando com uma das áreas, em consórcio com a britânica BP. Nos dois leilões do mesmo tipo anteriores, a estatal arrematou, sozinha ou em consórcio, sete áreas em cada um.

Em nota, a Petrobras disse que "manteve sua estratégia de atuação seletiva e efetiva". Presente ao leilão, o presidente da empresa, Roberto Castello Branco, saiu sem dar declarações à imprensa sobre a atuação da estatal na disputa.

A ANP concedeu 12 dos 36 blocos oferecidos na 16ª rodada, com arrecadação total de R$ 8,9 bilhões, recorde para leilões de concessão realizados no país. 

Nesse tipo de leilão, vence a empresa que apresentar o maior bônus de assinatura para as áreas - nos leilões do pré-sal, o bônus é fixo e a disputa se dá sobre o percentual de petróleo que será entregue à União após o início da produção.

O consórcio formado por Petrobras e BP arrematou uma área na Bacia de Campos com a oferta de R$ 2,04 bilhões, ágio de 1.744,10% em relação ao valor mínimo. Foi a única oferta pela área. Como tem 70% do consórcio, a estatal vai desembolsar R$ 1,43 bilhão.

Na outra área que disputou, a Petrobras e sua sócia, a norueguesa Equinor, ofereceram R$ 4,09 bilhões. O valor foi maior do que os R$ 4,03 bilhões oferecidos pelo consórcio concorrente, formado pela francesa Total, a QPI, do Catar e a Petronas, da Malásia.

Mas os concorrentes se comprometeram com maiores investimentos durante a fase de exploração - outro critério usado pela ANP para definir o resultado das disputas - e acabaram vencendo. Enquanto Petrobras e Equinor propuseram a perfuração de um poço, o outro consórcio propôs dois.

Na 14ª rodada de licitações, em 2017, a Petrobras participou de oito ofertas e ficou com sete áreas, o equivalente a 21% do total de blocos arrematados no leilão. Em 2018, foram 11 ofertas e 7 vitórias, o que equivale a 32% do total.

O único bloco que obteve na 16ª rodada representa menos de 1% do total arrematado. Também em recursos dedicados a leilões de concessão, a fatia da estatal vem caindo: foram R$ 2,1 bilhões em 2017, R$ 2,45 bilhões em 2018 e R$ 1,43 bilhões em 2019.

Antes dessas rodadas, o governo Temer relaxou as regras de compromissos de compras de equipamentos e serviços no Brasil e eliminou a exclusividade da Petrobras no pré-sal, medidas que contribuíram para atrair mais estrangeiras para os leilões.

Em 2015, ainda com as regras anteriores e no auge de sua crise financeira, a Petrobras nem chegou a fazer ofertas na 13ª rodada de licitações promovida pela ANP.

Desde que assumiu, Castello Branco tem repetido que o foco da companhia será a produção no pré-sal. A estatal já se comprometeu a gastar R$ 21 bilhões para ficar com ao menos 30% de duas áreas no megaleilão do pré-sal em novembro.

Outra empresa que tem apostado no pré-sal, a americana Exxon também vem reduzindo sua participação em leilões de concessão. Em 2016, participou de ofertas para dez blocos, arrematando os dez. Em 2017, tentou levar nove e ficou com oito. Este ano, foi apenas em um.

O mercado aposta em forte participação da empresa nos leilões do pré-sal de novembro. A presidente da Exxon no Brasil, Carla Lacerda, também estava no leilão desta quinta mas, assim como Castello Branco, saiu sem dar entrevistas.

Para o sócio da consultoria KPMG Anderson Dutra, os resultados do leilão desta quinta mostra diversificação das petroleiras com atuação no Brasil. Ele destacou a entrada da QPI e da Petronas, da Malásia, que terminaram com fatia em três blocos.

"As companhias asiáticas estão demonstrando grande apetite", afirmou ele, dizendo esperar que essa presença seja vista também nos leilões do pré-sal de novembro. A maior vencedora do leilão desta quinta foi a espanhola Repsol, com fatias em quatro áreas arrematadas.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Jogos Inesquecíveis: Um mundão para chamar de meu
De 1 a 5: Alterações do olfato, perda auditiva e Covid-19
01/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Arlison Vilas Bôas, um artista inventor e os desafios da pandemia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco