Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

REFORMAS

'Mais precisa ser feito' para Brasil manter crescimento econômico, diz FMI

Por: FolhaPress

Publicado em: 15/10/2019 13:50

Foto: OLIVIER DOULIERY/AFP
O FMI (Fundo Monetário Internacional) elevou a projeção do PIB brasileiro em 2019, mas afirmou que "mais precisa ser feito" em termos de reformas fiscais e estruturais para que o país entre de vez em uma rota de crescimento econômico.

A economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, afirmou nesta terça-feira (15) que o Brasil "registrou alguma recuperação e melhora" nos índices econômicos este ano, com destaque para o avanço da reforma da Previdência no Congresso. No entanto, ponderou que as incertezas políticas que envolveram a negociação do projeto refletem de forma negativa nos números do país e que é preciso concluir as reformas para superar a crise.

"A reforma da Previdência está em progresso. Isso é bom mas, isso posto, mais precisa ser feito", disse Gopinath em coletiva à imprensa em Washington. "Esperamos que, com mais reformas, as perspectivas melhorem."

Oya Celasun, chefe da divisão responsável pelo documento Perspectiva Econômica Mundial do FMI, por sua vez, acrescentou que o Brasil cresceu cerca de 1% nos últimos anos e, este ano, "apenas 0,9%."

"Esperamos esse progresso nas reformas fiscais e estruturais para a confiança na economia começar a ser percebida."

Os dados sobre a atividade econômica no Brasil já divulgados para o terceiro trimestre deste ano mostram que a economia segue em trajetória errática, sem sinais de retomada consistente e ainda depende do consumo das famílias e dos setores de comércio e serviços.

Investidores nos EUA, por exemplo, afirmam que têm adiado colocar dinheiro no Brasil porque o andamento das reformas no Congresso não tem se refletido nos índices econômicos e, sem crescimento, avaliam que é melhor não apostar no país agora.

O FMI divulgou nesta terça o relatório "Desaceleração global da manufatura, barreiras comerciais em elevação", no qual aumenta a projeção do PIB do Brasil em 2019 de 0,8% -estimativa em julho- para 0,9% agora. Em 2020, a previsão passou de 2,4% para 2%.

Na esteira da guerra comercial entre EUA e China e a desaceleração da economia global, o Fundo também previu a diminuição do ritmo de crescimento mundial para 3% este ano, o menor patamar desde a chamada Grande Recessão, dez anos atrás. Para 2020, o cenário no mundo é de pequena recuperação, com alta projetada de 3,4%, mas ainda abaixo do crescimento de 2018, de 3,6%.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco