OCIOSO Sindicato dos Metalúrgicos vende sede em São Paulo por R$ 140 milhões

Por: Folha Press

Publicado em: 30/09/2019 16:56 Atualizado em:

Reprodução: Google Maps
Reprodução: Google Maps
Com dívida de R$ 20 milhões, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes está vendendo sua sede, no bairro da Liberdade, por R$ 140 milhões.

Já anunciada à diretoria, após prévia autorização da assembleia dos trabalhadores, a venda pode ser concluída nesta segunda-feira (30).

Em reunião nesta segunda (30), a diretoria do sindicato foi informada que toda a receita obtida como fruto da negociação coletiva foi consumida até setembro.

Confirmando a negociação, o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, afirma que a venda depende de aprovação do conselho fiscal da entidade, o que deverá acontecer dentro de dois dias.

Torres diz que o sindicato ainda analisa as garantias oferecidas pela compradora -mantida sob sigilo- para fechar o negócio.

"O prédio está ocioso. São 14 andares, mais três intermediários e os do subsolo. Tentamos alugar, mas não conseguimos", disse.

O custo de manutenção do sindicato é de R$ 3,5 milhões mensais.

Além da sede, o sindicato -que é filiado à Força Sindical- vai vender sua subsede em Mogi das Cruzes, um clube de campo, uma colônia de férias e outros imóveis.

Com 14 andares, a sede do sindicato tem heliponto, auditório com capacidade para 900 pessoas e três andares de subsolo capazes de abrigar até 250 carros.

Símbolo de tempos de bonança para o sindicalismo, o edifício tem duas torres de elevadores, somando nove compartimentos e espaço para exposições.

A diretoria foi informada que a compradora é uma empresa do setor de logística. A Força Sindical não é a única a enfrentar severa crise financeira.

O fim do imposto sindical obrigatório, associado ao alto índice de desemprego, derrubou a receita de todas as centrais. Maior delas, a CUT (Central Única de Trabalhadores) chegou a negociar a venda de sua sede, no Brás, além de elaborar um plano de redução de secretarias e corte de pessoal.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.