Proposta Presidentes de companhias de saneamento criticam limite para serviços

Por: Agência Estado

Publicado em: 24/09/2019 20:08 Atualizado em:

Foto: Carolina Gonçalves/Agência Brasil
 (Foto: Carolina Gonçalves/Agência Brasil
)
Foto: Carolina Gonçalves/Agência Brasil
O presidente da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) Carlos Eduardo Tavares de Castro, mostrou preocupação nesta terça-feira (24) com o trecho da proposta do novo marco do saneamento que prevê limitação de 25% para o prestador subdelegar o serviço, quando a prestação é feita por meio de contrato. O projeto de lei prevê um limite de 25% do valor do contrato.

Segundo Tavares, a cláusula é um entrave na busca de variação de arranjos para alcançar a universalizar o setor. "Do jeito que veio no projeto, os 25% impedem a busca de arranjos variados. Se o objetivo é buscar novos arranjos, isso seria um entrave, não estaria indo no caminho de fomentar arranjos que permitam trazer mais recursos para o setor", disse, ao participar de audiência pública na Câmara que discute a proposta de um novo marco.

Questionado sobre a porcentagem, o presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Benedito Braga, disse não ver "muita lógica" em se impor um número. "Cada caso é um caso", disse.

"Na hipótese de prestação dos serviços públicos de saneamento básico por meio de contrato, o prestador de serviços poderá, desde que haja previsão contratual ou autorização expressa do titular dos serviços, subdelegar o objeto contratado, observado o limite de 25% (vinte e cinco por cento) do valor do contrato", define trecho do PL.

O presidente da Copasa também mostrou insatisfação com o trecho do projeto que prevê a substituição do sistema unitário pelo sistema separador absoluto - em que a água pluvial passa em uma tubulação diferente da tubulação do esgoto sanitário. Segundo ele, o sistema unitário é "extremamente aplicável" em algumas regiões. "Do jeito que está, nós estaríamos meio que inviabilizando, porque diz que só pode ser do ponto de vista transitório", observou.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.