TURISMO Navios são afundados para prática de pesquisa e turismo em Tamandaré

Publicado em: 16/09/2019 16:24 Atualizado em: 16/09/2019 16:27

Riobaldo e Natureza foram afundados em uma operação que durou mais de cinco horas. Foto: Divulgação Cepene.
Riobaldo e Natureza foram afundados em uma operação que durou mais de cinco horas. Foto: Divulgação Cepene.
Mais uma opção para pesquisa e turismo na região de Tamandaré, no litoral sul do Estado. Na manhã desta segunda (16), dois navios de pesquisa do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Nordeste (Cepene) foram afundados na APA Costa de Corais, a cerca de 7 Km da costa, a uma profundidade de 27 metros. Riobaldo e Natureza, como são denominados, ficaram a uma distância de 40 metros um do outro. A operação teve início às 5h e terminou às 10h30 com a participação de cerca de 50 pessoas.

Inicialmente voltados para a prospecção pesqueira, ambos navegaram durante muitas horas em prol da realização do Programa REVIZZE - Avaliação do Potencial Sustentável de Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva. O REVIZEE é resultado de um detalhamento do Plano Setorial para os Recursos do Mar (PSRM), que se originou a partir do compromisso assumido pelo Brasil, quando da ratificação da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. A convenção atribuiu aos países costeiros direitos e responsabilidades quanto à exploração, conservação e gestão dos recursos vivos de suas ZEE.

Os navios estavam aportados no píer do Cepene desde 2006 e, desde então, nunca mais navegaram. O adiantado estado de deterioração dos mesmos tornou inviável a sua recuperação, por isso o afundamento foi a opção de destinação que mais se adequou aos objetivos voltados para a conservação ambiental, pesquisa e uso público (turismo contemplativo com mergulho).

A iniciativa partiu do ICMBio (Instituto Chico Mendes) com apoio da Marinha do Brasil (Capitania dos Portos de PE), do Departamento de Oceanografia da UFPE e da Polícia Federal. Posteriormente, será montada uma exposição, no Cepene, com peças das embarcações.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.