Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Economia

Cotação

Bolsa volta aos 100 mil pontos, e dólar renova máxima do ano

Por: FolhaPress

Publicado em: 29/08/2019 20:09

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
A trégua na guerra comercial e o crescimento econômico do Brasil acima do que o esperado pelo mercado animou investidores nesta quinta-feira (29) e levou o Ibovespa a retomar os 100 mil pontos.

O dólar, por sua vez, teve alta de 0,43%, a R$ 4,1720, na esteira de valorização internacional da moeda americana, especialmente frente às divisas emergentes, e da crise argentina. Este é o maior patamar do dólar em relação ao real desde setembro de 2018, antes das eleições presidenciais.

Com o temor de uma desaceleração global e dos efeitos da guerra comercial, investidores migram seus investimentos para a moeda americana, um dos ativos mais seguros do mundo. Com o aumento da demanda por dólar, o real se desvaloriza.

"O dólar, por mais notícias positivas que tivermos internamente, deve seguir pressionado. A moeda americana está muito demandada e emergentes se desvalorizam", afirma Rodrigo Franchini, sócio e head de produtos da Monte Bravo.

Esta quinta teve o último dia de intervenções do Banco Central no mercado para trocar US$ 3,8 bilhões em swaps cambiais por moeda à vista. Operações semelhantes serão feitas em setembro.

Apesar da depreciação, o real teve um dos melhores desemprenho dentre os emergentes no pregão. A pior das moedas foi o peso argentino, que se desvalorizou 0,76%. No momento, um dólar equivale a 57,88 pesos.

A Argentina declarou moratória na noite de quarta (28) de parte de sua dívida de curto prazo. O país vai ainda renegociar as de médio e longo prazos, inclusive a parcela referente a empréstimos com o FMI (Fundo Monetário Internacional), que somam US$ 57 bilhões.

Nesta quinta, a Bolsa argentina destoou do cenário externo e caiu 5,79%, no menor patamar desde setembro de 2017. 

Já a Bolsa brasileira subiu 2,37%, a 100.524 pontos, maior patamar em mais de duas semanas. O giro financeiro foi de R$ 17,655 bilhões, acima da média diária para o ano;

O índice refletiu o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, que avançou 0,4% no segundo trimestre de 2019 em relação aos três primeiros meses do ano, dobro do previsto por economistas. Na comparação com o segundo trimestre de 2018, a alta foi de 1%.

"Esse crescimento de 0,4% não significa uma mudança na economia, falta muito ainda. É pequeno alento, de curtíssimo prazo. Veremos alta de um, dois dias da Bolsa, mas depois teremos reversão e correção de preço", afirma Franchini.

A notícia positiva se somou a um cenário externo favorável, em que China e Estados Unidos deram novas sinalizações de trégua.

O presidente americano Donald Trump declarou que há uma conversa marcada entre os países nesta quinta, para negociação de um acordo comercial, o que levou as principais Bolsas globais fecharam em fortes altas.

Em Nova York, os índices Dow Jones e S&P 500 subiram 1,25% e 1,27%, respectivamente. Nasdaq teve alta de 1,48%. Londres subiu 0,98%, e Frankfurt, 1,18% cada. Paris também avançou, a 1,51%.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco