Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Afirmação

Correção da tabela do IR pela inflação não repõe defasagem, diz Sindifisco

Publicado em: 13/05/2019 19:55

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
A tabela do Imposto de Renda, cuja correção de acordo com a inflação foi prometida para o ano que vem, pelo presidente Jair Bolsonaro, não é alterada desde 2015. Com isso, segundo dados do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco), a defasagem chegava, em janeiro, a 95,46%. 

Na prática, a defasagem significa que o contribuinte paga mais imposto. Embora a medida anunciada por Bolsonaro, se implementada de fato, alivie a carga tributária, para Luiz Benedito, diretor do Sindifisco, a correção da tabela pela inflação é pouco, perto de uma defasagem tão grande. "Se corrigida pelo valor de 4% da inflação, terá uma diferença mínima de imposto a pagar de R$ 5,77 e máxima de R$ 35,12", calcula Benedito.

O diretor afirma ainda que é necessária uma correção que recupere todo prejuízo da defasagem e uma reforma tributária ampla. "É preciso ver também as alternativas para recompor as taxas do governo sobre a mudança", completa. Da mesma forma, ele aponta que é mais importante um novo estudo das deduções do que uma correção dos descontos de saúde e educação, que traria poucas mudanças. "É preciso uma revisão para adequar os limites de educação na realidade", diz. 

Pobres são mais prejudicados

Para o economista Felipe Queiroz, o reajuste é uma opção válida. "É uma opção justa porque os preços já se ajustam e o salário, também. No mercado, por enquanto, não tem uma tabela mais justa", avalia. Felipe indica também uma reforma fiscal, já que há desigualdade de distribuição de renda no país. "De 1995 para cá, a tabela foi pouco reajustada, então as famílias de menor renda pagam muito mais imposto do que quem está no topo da pirâmide", afirma. 

Por conta dessa realidade, Queiroz avalia que a correção da tabela tende a gerar mais consumo e ajudar a aquecer a economia. "À medida que as famílias têm parte de seu salário sobrando, a propensão marginal a consumir é elevada. O dinheiro que não for tributado vira consumo, o que reativa a economia, e ela cresce."

Solicitação a Guedes

A intenção de reajustar a tabela do IR foi anunciada por Bolsonaro no domingo (12). Em entrevista à rádio Bandeirantes, o presidente disse ter conversado sobre o tema com o ministro da economia, Paulo Guedes. 

"Hoje em dia, o Imposto de Renda é redutor de renda. Falei para o Paulo Guedes que, no mínimo, este ano, temos que corrigir de acordo com a inflação a tabela para o ano que vem. E, se for possível, ampliar o limite de desconto com educação, saúde. Isso é orientação que eu dei para ele", anunciou Bolsonaro. "Espero que ele cumpra, que orientação não é ordem. Mas, pelo menos, corrigir o Imposto de Renda pela inflação, isso, com toda a certeza, vai sair", acrescentou.

Procurada para comentar sobre o anúncio de Bolsonaro, a Receita Federal afirmou, por meio de nota, que "o Ministério da Economia não comenta projetos em estudo".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Notícias do dia: Enem só em 2021, Bom Jesus entre as ruas mais belas e gays podem doar sangue
Moro: Lula e Bolsonaro são extremos a serem evitados
08/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Notícias do dia: Bolsonaro doente e sem máscara, futebol vetado e inscrição para testar vacina
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco