Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia
Mundo animal Raças diferenciadas de cães ganham espaço no mercado pet Em Pernambuco, canil Strongest é o único registrado pela CBKC na criação da raça American Bully

Por: Augusto Freitas

Publicado em: 23/04/2015 13:45 Atualizado em: 24/04/2015 11:37

De linhagem diferenciada, American Bully é fruto de um cruzamento entre as raças Staffordshire Bull Terrier e Buldogue (Paulo Paiva/DP/D.A. Press)
De linhagem diferenciada, American Bully é fruto de um cruzamento entre as raças Staffordshire Bull Terrier e Buldogue
Conhecidos como os melhores amigos do homem, os cachorros sempre despertaram a atenção e o desejo de pessoas que buscam no animal uma boa companhia para todas as horas. Tanto que tem se tornado cada vez mais comum a criação de raças variadas e, às vezes, pouco conhecidas no Brasil, seja em casa ou apartamento. Não importa, para quem cria, fatores como despesas ou quantidade de bichos criados, embora a simples paixão em alguns casos torna-se um negócio promissor.  

Em Pernambuco, uma dessas diferentes linhagens tem ganhado força no mercado, a American Bully, fruto de um cruzamento entre as raças Staffordshire Bull Terrier e Buldogue, que no Brasil foi reconhecida em 2013 pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC). No estado, há um único canil especializado na raça registrado pelo órgão, o Strongest American Bully, localizado na tranquila Ilha de Itamaracá, no Litoral Norte, cujo registro na CBKC tem um ano.

Proprietário do canil e amante do American Bully, o advogado Felipe Borba, 40, estuda os cães há sete anos e há cinco iniciou um pequeno negócio de criação e venda de cachorros. Não sobrevive, destaca ele, do empreendimento pet. Mesmo recente, o local possui sete confortáveis baias onde os animais, adultos e filhotes, bastante dóceis por sinal, esperam os interessados em criar uma raça em expansão. Tanto que os compradores são geralmente de outros estados.

Um filhote de American Bully custa, inicialmente, entre R$ 4 mil e R$ 6 mil (Paulo Paiva/DP/D.A. Press)
Um filhote de American Bully custa, inicialmente, entre R$ 4 mil e R$ 6 mil
Um filhote de American Bully, segundo Felipe Borba, custa, inicialmente, entre R$ 4 mil e R$ 6 mil. O valor pode variar. “Sempre para mais, nunca para menos, já que há o acompanhamento da descendência e, dependendo da linhagem de sangue, o cão se sobressai entre outras raças comercializadas no mercado”, conta Borba. Duas das entidades mais respeitadas no mundo no assunto, a American Bully Kennel Club (ABKC) e o International Bully Kennel Club (IBKC) reconhecem o pedigree do American Bully.  

O que caracteriza o crescimento no mercado de raças incomuns? Primeiro, o segmento de animais de estimação brasileiro tem apresentado um potencial cada vez maior nos últimos anos. O Brasil, de acordo com a organização da feira PetNor, umas das mais conceituadas no setor, tem a segunda maior população mundial de cães, com 30 milhões de animais. É o quarto lugar em população de animais de companhia, ou seja, há espaço para empreender neste nicho.


“Existe um certo modismo quando se trata da criação de cães. Muitas vezes as pessoas compram por determinada raça estar na moda. Mas na grande maioria dos casos há um público fiel de criadores que prefere uma raça única”, explica Felipe. Traduzindo, o segmento de animais de estimação ganhou, nos últimos anos, status de sofisticação, onde os bichos são criados como autênticos membros da família.

Perfil de clientes é de jovens esportistas, empresários e pessoas que se interessam por raças incomuns (Paulo Paiva/DP/D.A. Press)
Perfil de clientes é de jovens esportistas, empresários e pessoas que se interessam por raças incomuns
Segundo, considerando o ponto de vista financeiro, diz Borba, os gastos com a criação de cães não são tão elevados como se imagina. No caso do American Bully, ressalta, as despesas com o canil consomem, em média, entre R$ 2 mil e R$ 2,5 mil mensais. “Criamos uma variação da raça pocket, ideal para quem mora em apartamento. Criar um American Bully requer gastos semelhantes a estes valores, só que anuais, incluindo alimentação, veterinário, medicamentos e vacinas”, garante.

O perfil de clientes, completa o dono do Strongest, é de jovens esportistas, empresários e pessoas que se interessam por raças incomuns. Além de toda a documentação legal exigida para a atividade comercial, o canil é supervisionado pela Royal Canin, uma das gigantes mundiais do setor de alimentação pet. “O ideal, para quem deseja criar um cão diferenciado, é estudar a raça e descobrir se há identificação com aquele animal”, destaca Borba. Quem quiser mais informações sobre o American Bully, basta conferir a fanpage (Strongest American Bully) no Facebook.



Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Resumo da semana: acidente em Boa Viagem, aulas liberadas e reinauguração do Geraldão
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #101 Actina e Miosina
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco