Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Diarinho

Lazer

Fliti: uma feira literária para os pequenos

Publicado em: 23/11/2019 11:39

Curadora Jamille Barbosa e Ricardo Leitão, presidente da Cepe. (Foto: Cepe/Divulgação)
 
Apesar do fascínio das novas tecnologias, a leitura continua atraindo as crianças. E para estimular esse fenômeno, a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) vai realizar a segunda edição da Feira da Literatura Infantil (Flitin). O evento será entre os dias 28 de novembro e 1º de dezembro. Uma estrutura de três mil metros quadrados será montada na Academia Pernambucana de Letras (APL), no bairro das Graças, com três espaços (ateliê, palco, auditório) que vão sediar uma programação com oficinas, bate-papos, contação de história, shows e cineminha, além de um auditório com cerca de 120 lugares e dez expositores de editoras. 
São vários destaques na extensa grade (disponível na íntegra no site do Diario). Por exemplo, a aula-espetáculo da cantora, compositora e contadora de histórias pernambucana Carol Levy, que ensina os pais a contarem histórias para crianças de uma forma atraente. Emerson Pontes comanda oficinas nos quatro dias. Nos dois primeiros, Metade-Metade (ou meio de um, meio de outro!). Pintura gigante (olha, é a Baleia de Brendan!) será nos dois últimos dias da feira. Já a roda de conversa Com livros e com afeto: experiência de leitura em família, de Sônia Freyre (filha de Gilberto Freyre). A roda busca mostrar experiência de pessoas com a leitura dentro de casa. Em cada dia, a programação é encerrada com um show voltado ao público infantil, como o da própria Carol Levy (na tarde do dia 28) e o de Tio Bruninho (na tarde do dia 1º de novembro).
Livros também serão lançados durante a Flitin. O menino mais estranho do mundo, de Helder Herik, vencedor do IV Prêmio Cepe Nacional de Literatura Infantojuvenil 2018, será um deles. A obra conta a história de Dário, um menino que tinha uma maneira diferente de enxergar o mundo. Seus animais de estimação são sapos e aranhas. As letras dos seus livros fogem como formigas, numa alusão poética à dislexia do autor. 
 
“É um pouco a minha pessoa. Fui uma criança estranha. Estamos vivendo em um mundo padronizado e as individualidades estão sendo apagadas. A ideia é mostrar às crianças que elas podem ser como Dário. O que é estranho para uns é poesia para outros”, diz Helder, que venceu o Prêmio Pernambuco de Literatura 2015 com Rinoceronte Dromedário, também editado pela Cepe.
 
O outro livro é O pedido de Clarice, de Tadeu Pereira, com ilustrações de David Alfonso. A obra conta com uma narrativa açucarada, que se passa dentro do bolo de aniversário de Clarice, uma menina prestes a apagar as velinhas do seu aniversário de 8 anos e fazer um pedido. Nesse momento, a avelã tatuada com o pedido se perde entre jujubas, doce de leite, marshmallows e balas de goma, e cabe aos “fofonhos” e “momonhos” a tarefa de fazer com que o pedido seja ou não realizado.
 
“Me inspirei no conto Feliz Aniversário, que faz parte da obra Laços de Família, de Clarice Lispector, que considero o melhor da escritora”, revela o publicitário. Assim veio a ideia de criar uma história dentro de um bolo, “como os mínions do filme Meu malvado favorito”, compara Tadeu, que levou um ano para finalizar a obra. No final do livro há um espaço para o pequeno leitor interagir, escrevendo um fim alternativo ou revelando o que entendeu da história. “Acho bacana deixar um espaço para eles”.
Além dos lançamentos inéditos, o poeta Miró da Muribeca estará na Flitin conversando com o público sobre seu novo livro Atchim!, o primeiro dedicado ao público infantil. A publicação, de 44 páginas, é um poema sobre as perguntas que as crianças costumam fazer sobre a vida e sobre Deus. “As perguntas parecem banais, mas são filosóficas”, diz Miró, que agradece ao ex-editor da Cepe, Wellington de Melo, pela sensibilidade de ter descoberto esse texto seu. “Ele descobriu esse meu lado infantil. Esse livro sou eu. É a história de um filho que nunca viu o pai; é a biografia da minha vida, da minha existência como negro da periferia”, resume. As ilustrações são do artista, cartunista e chargista mineiro Cau Gomez. A Flitin faz parte do Circuito Cultural de Pernambuco, que entre 2019 e 2020 realizará 18 feiras em todo o estado.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista o candidato à prefeitura do Recife Coronel Feitosa (PSC)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #162 Anelídeos: segmentação corporal e parapódios
De 1 a 5: Dicas para a sua bicicleta ser seu transporte diário
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco