Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
COLUNAS

ESPAÇO DA PREVIDÊNCIA

Servidor público temporário tem direito a receber FGTS e proteção previdenciária

Publicado em: 16/05/2019 10:11

Foto: Divulgação
O Brasil é o país do jeitinho. Uma aberração que acontece com frequência em vários municípios é o artifício de contratar pessoas para ocuparem o cargo temporariamente, sem a celebração do concurso público. Ao invés de fazerem o certame para resolver o problema em definitivo, os gestores públicos resolvem fazer fracionadas contratações temporárias. São pequenos contratos com validade de dois anos. Mas como são renovados muitas vezes, a pessoa pode passar 10 a 15 anos de modo “temporário”. Não existe temporalidade com todo esse tempo. Mas é uma forma de baratear a contratação e estabelecer uma certa dependência e fidelidade eleitoral. Uma decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco ameniza a precariedade contratual dessas pessoas, já que garante o direito ao FGTS de todo o período. Além disso, esses temporários também têm direito à proteção previdenciária.

Os contratados pela Administração Pública para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público são servidores públicos submetidos a regime jurídico administrativo próprio. Podem ser contratados temporariamente para uma situação emergencial ou pontual. O problema é que o conceito de “temporalidade” por parte dos gestores públicos é bem alongado. O que era para durar dois anos pode virar dez. Embora seja relevante a durabilidade no cargo para quem depende de um salário para sobreviver, não é probo se encarar essa situação efêmera como definitiva. É uma espécie de burla ao caminho do concurso público. Além de ser uma maneira de a administração manter empregados, com restrição de direito, como os depósitos fundiários.

Proteção previdenciária

Esses contratados temporários por excepcional interesse público, mesmo que se mantenham demoradamente no vínculo, podem pleitear o FGTS. Decisão do Tribunal garante que a prefeitura deve recolher o fundo de garantia dos servidores públicos temporários. Além disso, a aposentação e a proteção previdenciária dos servidores públicos ocupantes de cargo em comissão, considerados aqueles de ocupação temporária, são regidos pelo INSS. Outro problema corriqueiro para quem atua como cargo comissionado para prefeituras é a sonegação ou a inadimplência da contribuição previdenciária, o que termina repercutindo na hora de se aposentar. Não raro tais pessoas terminam tendo o benefício calculado a menor em razão da sonegação do município ou ente estatal. Mesmo que não haja efetivamente o pagamento, o trabalhador tem o direito de ter calculada e revisada sua aposentadoria com os valores históricos praticados e corretos. Essa conta deve ser cobrada pelo INSS ao devedor. Quem se viu prejudicado por esse lapso da prefeitura, poderá pedir a revisão da aposentadoria. Até a próxima.

* Rômulo Saraiva é jornalista e advogado especialista em Previdência pela Esmatra VI e Esmafe/RS, escritor, professor universitário, blogueiro, consultor jurídico, colunista e mestrando em Direito Previdenciário pela PUC/SP

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Rhaldney Santos entrevista Dr Carlos Romeiro, ortopedista
Rhaldney Santos entrevista Celso Muniz (MDB)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco