Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde

ESPAÇO

Horta espacial: cientistas conseguem produzir vegetal fora da Terra

Publicado em: 07/03/2020 16:05

 (Foto: Nasa/Divulgação
)
Foto: Nasa/Divulgação
No cardápio do espaço, não tem alimentos frescos. Em missões tripuladas, os astronautas comem as chamadas rações pré-embaladas. Nozes, chocolate, manteiga de amendoim, carne e frango estão entre as opções processadas. Esses “pratos” são submetidos a procedimentos — geralmente por aquecimento e irradiação — para durarem mais tempo. Apesar da facilidade, a agência espacial americana, a Nasa, tem buscado soluções para deixar as refeições mais naturais. Uma equipe do Centro Espacial Kennedy descreve, na edição deste sábado (7) da revista Frontiers in Plant Science, como tem avançado nesse sentido. Eles conseguiram cultivar alface a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS).

A mais de 400 quilômetros da Terra, a plantação de alface romana vermelha não perde em propriedades para a horta tradicional. Segundo os cientistas, as folhagens espaciais são livres de micróbios causadores de doenças, seguras para comer e pelo menos tão nutritivas quanto as terrestres. Isso mesmo tendo crescido sob menor gravidade e radiação mais intensa. O cultivo se deu “sem  perturbações” por 33 a 56 dias, até que Scott Kelly, Kjell Lindgren e outros membros da tripulação comeram parte das folhas maduras — eles congelaram uma parte do cultivo para ser examinada na Terra.

Segundo Christina Khodadad, coautora do estudo, o resultado promissor serve de estímulo para planos ainda mais ousados. A Nasa planeja usar a prática nas próximas missões Artemis-III (programadas para pousar seres humanos no polo sul lunar até 2024) e na primeira missão tripulada a Marte (planejada para o fim da década de 2020).

“A capacidade de cultivar alimentos em um sistema sustentável e seguro para o consumo da tripulação se tornará crítica à medida que a Nasa avançar para missões mais longas. Os vegetais folhosos do tipo salada podem ser cultivados e consumidos frescos com poucos recursos”, detalha Khodadad.

Suplemento natural
A semelhança nutritiva com as alfaces cultivadas na Terra resolve outros problemas. As folhagens espaciais forneceram aos astronautas potássio adicional, além de vitaminas K, B1 e C, nutrientes que são menos abundantes nas rações pré-embaladas e tendem a se degradar durante o armazenamento a longo prazo.

Como controle, os cientistas cultivaram alfaces na Terra sob as mesmas condições do espaço. Isso foi possível porque os dados de temperatura, dióxido de carbono (CO2) e umidade foram registrados na ISS e replicados nos laboratórios do Centro Espacial Kennedy.

Em praticamente todos os ensaios, as alfaces de lá foram semelhantes em composição às daqui, sendo que as espaciais tenderam a ser mais ricas em potássio, sódio, fósforo, enxofre e zinco, assim como em moléculas com atividade antiviral, anticâncer e anti-inflamatória. Ambas as folhagens apresentaram níveis parecidos de antocianina e outros antioxidantes que podem proteger as células de danos causados por radicais livres.

Micróbios
Ao examinar as comunidades microbianos presentes nos dois tipos de plantações, a equipe teve outra surpresa: a diversidade e a identidade de micro-organismos também eram muito parecidas. Dadas as condições únicas da ISS: os cientistas esperavam que elas favorecessem o desenvolvimento de comunidades microbianas distintas.

Segundo Christina Khodadad, nenhum dos gêneros de bactérias detectados é conhecido por causar doenças em seres humanos. Testes adicionais confirmaram que as alfaces não continham micro-organismos que ocasionalmente contaminam as culturas, como Escherichia coli, Salmonella e Staphylococcus aureus, enquanto o número de esporos de fungos e bolores também estava na faixa normal para o consumo humano.

A lista extensa de resultados positivos encoraja a equipe a pensar em experimentos com outras culturas nutritivas a bordo da ISS. “A Estação Espacial Internacional está servindo como banco de ensaio para futuras missões de longa duração, e esses tipos de testes de crescimento de culturas estão ajudando a expandir o conjunto de candidatos que podem ser efetivamente cultivados em microgravidade. Testes futuros vão estudar outros tipos de culturas, como pimenta e tomate, para ajudar a fornecer produtos frescos suplementares para a dieta dos astronautas”, adianta Gioia Massa, cientista do projeto no Centro Espacial Kennedy e coautora do estudo.

Turismo será retomado
A empresa americana SpaceX anunciou que, no ano que vem, enviará três turistas à Estação Espacial Internacional (ISS), algo que não acontece há 11 anos. A companhia de Elon Musk firmou parceria com a Axiom Space para ceder vagas a bordo da cápsula Crew Dragon. A viagem deve ocorrer no segundo semestre e “estabelecerá um marco na marcha rumo ao acesso de rotina e universal ao espaço”, segundo o presidente executivo da Axiom Space, Michael Suffredini. Oito turistas espaciais já viajaram à ISS, nos foguetes russos Soyuz. O primeiro, em 2001, foi o empresário americano Dennis Tito, que pagou US$ 20 milhões pela experiência. O valor da próxima viagem não foi divulgado.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A pandemia em Pernambuco - destaques de 2 de abril
População lota as ruas de Cavaleiro, Jaboatão dos Guararapes
A pandemia em Pernambuco -  destaques de 1 º de abril
Filas e aglomeração nas agências bancárias
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco