Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde

CORONAVÍRUS

Covid-19: cientistas identificam ponto fraco do novo vírus

Publicado em: 21/03/2020 15:11

Cientistas alemães mapeiam a parte do Sars-Cov-2 responsável pela sua replicação e desenvolvem um composto para bloqueá-la.  (Foto: AFP / STR)
Cientistas alemães mapeiam a parte do Sars-Cov-2 responsável pela sua replicação e desenvolvem um composto para bloqueá-la. (Foto: AFP / STR)
Pesquisadores alemães conseguiram decifrar uma parte essencial do Sars-Cov-2, que causa a Covid-19. Por meio de uma técnica de análise avançada, eles mapearam a estrutura da molécula que está presente no vírus e é responsável pela replicação dele em organismos. Com base nessas descobertas, a equipe desenvolveu um medicamento para frear o patógeno. O remédio mostrou resultados positivos em testes feitos com ratos e poderá contribuir para o tratamento da pandemia. Os resultados foram publicados ontem, na edição da revista especializada Science.

No estudo, os cientistas ressaltaram que equipes de todo o mundo estão trabalhando duro para desenvolver substâncias ativas contra o Sars-Cov-2. “A análise estrutural das proteínas funcionais do vírus é muito útil para esse objetivo. A função de uma proteína está intimamente relacionada à sua arquitetura 3D. Se essa arquitetura 3D for conhecida, é possível identificar pontos de ataque específicos”, explicaram os autores do artigo, liderados por Linlin Zhang, pesquisadora da Universidade de Lubeck.

Os pesquisadores usaram a cristalografia de raios-X, uma tecnologia refinada que analisa minuciosamente moléculas por meio de radiação eletromagnética. Com esse recurso, eles conseguiram definir a estrutura da principal protease (enzima que decompõe proteínas) do Sars-Cov-2, chamada Mpro ou 3CL. Ela é um dos principais alvos de drogas contra coronavírus por se responsável pela reprodução desses micro-organismos.

Com base no estudo da estrutura da protease, os pesquisadores otimizaram inibidores de coronavírus para desenvolver o composto 13b. A intenção era de que ele funcionasse como um bloqueador da protease principal do Sars-Cov-2. Segundo os cientistas, o 13b é capaz de melhorar a ação de inibidores, prolongando, por exemplo, o tempo útil deles no plasma sanguíneo de pessoas infectadas.

Os investigadores testaram o 13b em camundongos e descobriram que a inalação foi bem tolerada pelas cobaias, que não apresentaram efeitos adversos. “O tempo médio de permanência do 13b foi de 2,7 horas e a meia-vida, de 1,8 hora nos testes com camundongos. Isso é muito benéfico, principalmente pela forma como foi aplicado, pela nebulização, que atinge diretamente os pulmões. A inalação foi bem tolerada e os camundongos não apresentaram efeitos adversos, sugerindo que seria possível a administração direta do composto nos pulmões”, detalharam.

Thiago Fuscaldi, pneumologista do Hospital Sírio-Libanês em Brasília, também acredita que o trabalho poderá contribuir para esse objetivo, mas ressalta que mais pesquisas são necessárias. “Esse é mais um dos trabalhos que temos visto com foco no desenvolvimento de novas drogas, e essa é uma candidata em potencial, mas os testes ainda são muito iniciais, precisamos saber se os efeitos se repetem em humanos e sem efeitos colaterais”, explicou.

O médico brasileiro também ressaltou que os cientistas deram foco a uma estrutura extremamente importante para a sobrevivência do vírus. “Ele se mantém por causa da replicação de seu RNA, feita por essa protease. Por isso, é importante conhecê-la. Esses dados são essenciais para combater a doença, e acredito que podemos esperar mais pesquisas feitas com esse mesmo objetivo nos próximos dias”, opinou. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Mais lidas

mais lidas

Pernambucanos se unem para imprimir EPIs 3D contra coronavírus
De 1 a 5: discos da música brasileira para ouvir na quarentena
Barrados na quarentena   o drama de quem não pode ficar em casa durante a pandemia
Resumo da semana: amor na pandemia, confinamento rastreado e mortes por Covid-19 em Pernambuco
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco