Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde

Doença

Mortos por coronavírus passam de 900 e balanço global supera o da Sars

Por: AFP

Publicado em: 09/02/2020 20:40

Ao todo, 902 pessoas morreram de coronavírus na China. (Foto: Philip Fong/AFP.)
Ao todo, 902 pessoas morreram de coronavírus na China. (Foto: Philip Fong/AFP.)
O novo coronavírus matou mais de 900 pessoas, quase todas na China, superando o balanço global da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou "boas notícias" na estabilização do número diário de infecções.

O vírus 2019-nCoV, que apareceu em dezembro em um mercado em Wuhan (centro da China), matou 91 pessoas a mais na província de Hubei, a mais castigada pela epidemia, elevando o total de vítimas fatais a 902 em todo o país, superando o balanço da Sars, que matou 774 pessoas em todo o mundo em 2002-2003. 

Em sua atualização diária, a comissão de saúde de Hubei confirmou 2.618 novos casos nesta província central da China. Às mortes no país, que impôs uma quarentena a parte de seu território, se acrescenta uma morte em Hong Kong e outra nas Filipinas. 

Uma "missão internacional" de especialistas partiu para a China na noite deste domingo, anunciou o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. À frente da missão está Bruce Aylward, que esteve à frente de outras emergências sanitárias internacionais. A organização havia estimado no sábado (8) que o número de casos de contaminação detectados diariamente na China tinha se estabilizado, mas que era cedo demais para afirmar que a epidemia havia superado seu auge.

Estabilidade
"Registramos um período de estabilidade de quatro dias, em que o número de casos relatados não aumentou. Isso é uma boa notícia e pode refletir o impacto das medidas de controle implementadas", afirmou o responsável dos programas sanitários de emergência da OMS, Michael Ryan.

Com os 2.618 novos casos, agora há mais de 39.800 casos confirmados em toda a China, com base em cifras divulgadas anteriormente pelo governo. Este último número é significativamente menor que as quase 3.900 novas infecções anunciadas na quarta-feira pelas autoridades chinesas em seu relatório diário.

Para o cientista americano Ian Lipkin, da Universidade Columbia, a epidemia pode atingir seu pico nas próximas duas semanas antes de retroceder acentuadamente, embora se espere um aumento pontual quando as pessoas retomarem maciçamente a atividade laboral. Por outro lado, o Banco Central chinês (PBOC) anunciou neste domingo que destinará 43 bilhões de dólares para ajudar empresas implicadas no combate à epidemia.

Propagação mundial
A epidemia continua a se espalhar pelo mundo. Mais de 320 casos de contaminação foram confirmados em cerca de trinta países e territórios. Cinco novos casos (quatro adultos e uma criança, todos de nacionalidade britânica) foram anunciados na França no sábado, elevando para 11 o total 11 no país. 

Na própria China, a morte na sexta (7) de um jovem médico que havia sido repreendido por ter dado o alerta no final de dezembro continuava causando polêmica, em um país onde as informações são rigorosamente controladas. O médico, que morreu vítima do novo coronavírus, agora é um mártir diante de autoridades locais acusadas de esconder o início da epidemia.

Intelectuais divulgaram pelo menos duas cartas abertas que circulam nas redes sociais desde a morte do doutor Li Wenliang em um hospital em Wuhan. "Chega de restringir a liberdade de expressão", pedem dez professores de Wuhan, em uma carta que foi posteriormente apagada da rede social Weibo. "As autoridades centrais estão determinadas a chegar à verdade e descobrir os responsáveis" pelas sanções ao doutor Li, reportou o jornal oficial em inglês China Daily.

Outra carta de ex-alunos anônimos da prestigiada Universidade Tsinghua, em Pequim, pede ao Partido Comunista Chinês (PCC) que pare de fazer da "segurança política a única prioridade". O regime comunista reagiu anunciando na sexta envio de uma comissão de inquérito a Wuhan.

Além da região de Wuhan, isolada do resto do mundo desde 23 de janeiro, medidas de confinamento continuam sendo estritas em várias cidades, onde dezenas de milhões de pessoas estão trancadas em casa.

Voos suspensos
Em Hong Kong, os 1.800 turistas confinados em um transatlântico há cinco dias foram autorizados a desembarcar neste domingo, depois que os 1.800 tripulantes testaram negativos para o vírus. 

As autoridades temiam que alguns tripulantes tivessem contraído o vírus de uma viagem anterior. Por outro lado, seis passageiros do navio de cruzeiro Diamond Princess, que está em frente à costa japonesa, contraíram o vírus, elevando o total de pessoas doentes a bordo a 70 neste domingo.

Outros países estão fortalecendo suas medidas de segurança e a maioria das companhias aéreas internacionais suspenderam seus voos à China continental. Por fim, os 34 brasileiros repatriados da cidade de Wuhan chegaram este domingo à base aérea de Anápolis, perto de Brasília, onde foram postos em quarentena. As duas aeronaves pousaram por volta das 6h, informou no Twitter a Força Aérea Brasileira (FAB).
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A pandemia em Pernambuco - destaques de 2 de abril
População lota as ruas de Cavaleiro, Jaboatão dos Guararapes
A pandemia em Pernambuco -  destaques de 1 º de abril
Filas e aglomeração nas agências bancárias
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco