Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde

PESQUISAS

Sarampo gera amnésia imunológica e abre portas para outras infecções

Por: FolhaPress

Publicado em: 31/10/2019 15:47

Os trabalhos, publicados nas revistas científicas Science e Science Immunology, foram conduzidos por pesquisadores da Holanda, EUA, Reino Unido, Finlândia e Alemanha. (Foto: Paulo Paiva/DP.)
Os trabalhos, publicados nas revistas científicas Science e Science Immunology, foram conduzidos por pesquisadores da Holanda, EUA, Reino Unido, Finlândia e Alemanha. (Foto: Paulo Paiva/DP.)
Dois estudos publicados nesta quinta (31) mostram que a infecção por sarampo, além do prejuízo imediato e do risco de morte, provoca uma espécie de amnésia imunológica, que pode persistir por meses ou anos nas pessoas afetadas pelo vírus.
 
O problema da não vacinação contra o sarampo, dessa forma, vai além apenas do risco para essa doença, e pode abalar tanto a proteção individual quanto a coletiva, a chamada imunidade de rebanho, para outras doenças contagiosas como gripe e herpes.
 
Os trabalhos, publicados nas revistas científicas Science e Science Immunology, foram conduzidos por pesquisadores da Holanda, EUA, Reino Unido, Finlândia e Alemanha.
 
Já se sabia que o vírus do sarampo atacava células do sistema imunológico, como macrófagos, células B e células T, mas os cientistas ainda não entendiam exatamente até onde esse baque poderia levar.
 
Nos estudos, foram utilizadas amostras de sangue coletadas em 2013 de crianças e adolescentes de escolas protestantes ortodoxas na Holanda que não se vacinaram. Após a epidemia que afetou o país entre maio de daquele ano e março de 2014, que atingiu 2.700 pessoas, novas amostras foram coletadas entre os 77 jovens que ficaram doentes.
 
Com uma técnica batizada de VirScan, capaz de identificar dezenas de tipos virais com os quais o o organismo teve contato, ou seja, aferir quais tipos de anticorpos foram produzidos (isso a partir de uma pequena amostra de sangue), o repertório imunológico dos infectados por sarampo caiu entre 11% e 73%, de acordo com o trabalho da Science.
 
Em um experimento com furões que já haviam sido vacinados contra a gripe, doença causada pelo vírus influenza, o estudo da Science Immunology mostra que uma infecção pelo influenza posterior a uma por sarampo gera sintomas intensos, como se os animais simplesmente não tivessem sido vacinados.
 
Os cientistas do trabalho da Science também fizeram testes em macacos-resos (Macaca mulatta). Cinco meses após a infecção por sarampo, ainda havia prejuízo em 40% a 60% da memória imunológica contra patógenos.
 
Em outras palavras, quem pega sarampo corre sério risco de não conseguir de reagir rapidamente a diversos vírus e bactérias contra os quais já havia anticorpos no organismo. Reconstruir esse arsenal imunológico demora e é algo acontece após novos contato com agentes infecciosos – e um desses encontros pode ser fatal. 
 
"Nós encontramos uma forte evidência de que o vírus do sarampo na verdade destrói o sistema imunológico, disse Stephen Elledge, pesquisador do Instituto Médico Howard Hughes e da Universidade Harvard e um dos autores do estudo da Science, em comunicado.
 
A vacina, a chamada tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) é feita a partir de vírus vivos atenuados. A imunização, felizmente, não provoca prejuízo à imunidade como faz o patógeno selvagem. Ao contrário, calcula-se que entre 2010 e 2017, o uso da vacina tenha prevenido mais de 21 milhões de mortes.
 
Principalmente pela falta de imunização, cerca de 100 mil pessoas morrem anualmente no mundo por causa do sarampo. O Brasil tem sofrido com novos casos de sarampo. São quase 7.000 casos e 13 mortes só neste último surto, concentrados especialmente no estado de São Paulo, de acordo com o último balanço.
 
"Esses dois estudos reforçam muito a importância da vacinação e das campanhas, que são capazes de reduzir muito a mortalidade infantil, não só para o sarampo, mas também aquela devida aos efeitos maléficos da imunossupressão", diz o virologista da USP Edison Luiz Durigon, que não participou dos estudos.
 
"O vírus é muito mais deletério do que nós imaginávamos, o que significa que a vacina é nessa mesma medida muito mais valiosa", diz Elledge.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco