saúde Setembro Verde: Médica alerta sobre a importância da prevenção ao câncer de intestino

Por: Ketheryne Mariz

Publicado em: 30/09/2019 09:15 Atualizado em: 30/09/2019 23:03

Foto: Pixabay/Reprodução
Foto: Pixabay/Reprodução
Terceiro tipo de câncer mais frequente entre os homens e o segundo entre as mulheres, o câncer do colorretal é um tumor que acomete o intestino grosso. Durante o mês de setembro, a campanha Setembro verde trouxe um alerta sobre como hábitos saudáveis podem prevenir a doença. Cada vez com incidente na população brasileira, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), apenas no último ano foram registrados 36.360 casos da doença. Só em 2018, em Pernambuco, foram registrados 430 casos em homens e 630 em mulheres, de acordo com o instituto.

Apesar de prevalente em indivíduos a partir de 65 anos, observa-se o avanço nos registros de crescimento do quadro entre os jovens. Coloproctologistas recomendam que o início do monitoramento preventivo da doença, por meio do exame colonoscopia, ocorra aos 50 anos. Se houver histórico na família, esse rastreamento deve ser iniciado antes.
 
Para especialistas, com uma boa alimentação, rica em vegetais, controle do consumo de carne processada ou vermelha, prática regular de atividade física e check-ups anuais, é possível prevenir ou evitar o aparecimento da neoplasia.
 
Segundo a presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP), a coloproctologista Sthela Maria Murad Regadas, a população precisa ser informada sobre a doença, como preveni-la adequadamente e saber que existem tratamentos eficazes para controlar a condição.
 
“No início a lesão é benigna, com o decorrer do tempo é que vai se transformando. Por isso, a necessidade da prevenção tem grande importância. Se for uma lesão inicial, há grande chance de cura”, explica Sthela. De acordo com dados do Inca, em 90% dos casos o câncer colorretal se origina a partir de um pólipo benigno, que ao longo dos anos sofre uma evolução se tornando um tumor.

O principal sinal de alerta para o câncer colorretal é sangue nas fezes. Porém, outros sintomas podem ocorrer, como alterações no hábito intestinal (diarreia, intensa vontade de evacuar ou intestino lento), cólicas ou dores abdominais, dor na região anal, fraqueza, quadros de anemia e emagrecimento intenso. Ao sentir qualquer um desses sintomas, a recomendação é buscar um especialista que irá investigar o caso e fazer o diagnóstico adequado.

A presidente da SBCP comenta também que apesar de ser um área que gera um pouco de timidez, é necessário investir na prevenção. “Tudo que acontece no intestino e no ânus acham que é hemorroida. As pessoas ficam no achismo. mas é necessário ir até um médico. Doença precisa ter um diagnóstico certeiro. Hemorroida não vira câncer. É necessário procurar um especialista e investir na prevenção”, enfatiza. 
 
“Para identificar esse cenário precocemente, vá ao médico e não tema, faça a colonoscopia, caso seja recomendada”, reforça a médica. Realizada por meio de um aparelho flexível que é introduzida do ânus até o intestino com o paciente devidamente anestesiado, o exame de imagem permite a visualização de todo o cólon e do reto, possibilitando dessa forma, a identificação de lesões pré-malignas e lesões em estágios iniciais.
 
Para os tumores menores, as lesões podem ser retiradas por colonoscopia e ressecções locais dos tumores. Já os maiores e em estados avançados também contam com opções cirúrgicas, como a laparoscopia robótica ou as cirurgias abertas. Há ainda outras opções de tratamento, como a radioterapia e a quimioterapia.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.