Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde

exames

Cientistas criam exame de sangue que aponta risco de convulsão

Publicado em: 25/06/2019 08:04

Marion Hogg detectou aumento de partículas de RNA na corrente sanguínea um pouco antes da complicação. Foto: Maxwell Photography/Divulgacao
Pesquisadores da Irlanda detectaram um padrão de aparecimento de moléculas na corrente sanguínea pouco antes da ocorrência de uma crise convulsiva. Segundo eles, há aumento de fragmentos de RNA no sangue minutos antes da complicação. A descoberta, detalhada recentemente no Journal of Clinical Investigation, poderá levar ao desenvolvimento de um sistema de alerta precoce capaz de beneficiar principalmente epilépticos.

“Pessoas com epilepsia relatam frequentemente que um dos aspectos mais difíceis de conviver com a doença é nunca saber quando uma convulsão ocorrerá”, justifica Marion Hogg, professora honorária do Royal College of Surgeons (RCSI, na sigla em inglês) e principal autora do estudo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a epilepsia acometa 50 milhões de pessoas no mundo.

Para chegar à conclusão, a equipe fez o sequenciamento de RNA em amostras de plasma de voluntários saudáveis e em amostras coletadas de pessoas com epilepsia antes e depois de terem sofrido uma convulsão. “Nós procuramos por moléculas de RNA de transferência (tRNA) e encontramos três que eram mais altas nas amostras coletadas uma hora antes da convulsão do que nas coletadas após ou naquelas de pessoas sem epilepsia”, conta Marion Hogg.

Segundo os cientistas, esse processo acontece porque as células estão estressadas, e as moléculas são cortadas em fragmentos de RNAs de transferência, as tRNAs, um produto químico intimamente relacionado ao DNA e que desempenha papel importante na construção de proteínas dentro das células.

Dessa forma, níveis mais altos dos fragmentos no sangue podem refletir que as células cerebrais estão sob estresse durante um evento convulsivo. “Os resultados desse estudo são muito promissores. Esperamos que nossa pesquisa de tRNA seja um primeiro passo fundamental para o desenvolvimento de um sistema de alerta precoce”, frisa Marion Hogg.

Os pesquisadores cogitam a criação de um dispositivo que sirva de alerta para epilépticos, considerando os níveis dos fragmentos de RNA no sangue. “Com base nessa pesquisa, esperamos desenvolver um protótipo de teste, semelhante a um monitor de glicemia, que possa prever quando uma convulsão pode ocorrer”, diz David Henshall, professor de fisiologia molecular e neurociência no RCSI e coautor do artigo.

Mais vulneráveis
Um dispositivo do tipo resultaria em ganhos de qualidade de vida. A imprevisibilidade das convulsões deixa os epilépticos mais fragilizados, mostrou um estudo da Aarhus University, na Dinamarca, divulgado no mês passado. “Pessoas com epilepsia e esquizofrenia são particularmente vulneráveis. Há certamente espaço para melhorias na maneira como o sistema de saúde lida com elas e com o tratamento a elas oferecido”, ressalta, em comunicado, Jakob Christensen, um dos pesquisadores que participou do estudo.

A equipe acompanhou 1,5 milhão de pessoas diagnosticadas com epilepsia, esquizofrenia, as duas doenças ou nenhuma delas antes de completarem 25 anos. A taxa de mortalidade aos 50 anos foi de 3,1% para os voluntários saudáveis, de 10,7% para epilép-ticos, de 17,4% para esquizofrênicos e de 27,2% para os que tinham as duas complicações.

50 milhões: Estimativa de pessoas com epilepsia no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde.
 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Entenda os riscos da escoliose para saúde
Primeira Pessoa com Bione
Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco