Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Ciência e Saúde

Saúde

Óculos de realidade virtual vence medo de agulhas

O acessório promete acelerar o processo de vacinação em crianças e adolescentes ao distraí-los para aplicação

Publicado em: 30/06/2018 09:20 | Atualizado em: 30/06/2018 09:29

Foto: Venilton Küchler (Venilton Küchler)
Foto: Venilton Küchler (Venilton Küchler)

Pais e mães que sofrem ou se estressam por dificuldades para vacinar, coletar sangue e fazer punção dos filhos em laboratórios e clínicas devem ganhar uma ajuda. Óculos de realidade virtual prometem acelerar os procedimentos, distraindo crianças e adolescentes, que assistem a vídeos de cerca de dois minutos enquanto o imunizante é aplicado ou o sangue, coletado. 

O administrador Daniel Libretti, de 42 anos, conta que vacinar a filha Laura, de 7 anos, sempre foi trabalhoso. A menina precisa ser segurada por várias pessoas e chora muito. Por isso, os pais recorriam à recompensa: se tomar vacina, ganha sorvete. “Sempre tinha escândalo. Olhava para a agulha e travava”, diz Libretti. Em março, Laura foi se vacinar contra febre amarela e os óculos de realidade virtual foram oferecidos. “Fluiu naturalmente. Ela saiu da experiência contando a história para a mãe. Qualquer outra coisa não distrai. Já tentamos mostrar vídeos no celular, mas os óculos de realidade dão uma visão periférica”, contou ele.

Laboratórios começaram a adotar o equipamento de um ano para cá. É o caso do Delboni Auriemo do Itaim Bibi, zona sul de São Paulo onde Libretti levou Laura. O local é o primeiro da rede a oferecer o equipamento para coleta de sangue, punção e vacina. A ideia é expandir para as outras unidades. 

Coordenadora da sede de Itaim-Bibi, Fabieni Pongeluppi explica que a experiência também funciona por ser em um ambiente lúdico: a sala de coleta é toda coberta de adesivos, de personagens do Scooby-Doo!. “Os óculos fazem com que o momento seja uma experiência encantadora. Não é que diminua a dor, claro. A criança vai sentir dor, mas vai ser um momento diferente. Vai distrair. As mães ficam super felizes”, diz ela. 


PÉ ATRÁS
 
Já Guilherme Amorim, de 7 anos, foi levado pela mãe, a farmacêutica Fernanda Amorim, de 33, para uma coleta de sangue no Delboni. Ele até aceitou colocar o equipamento e se empolgou com o vídeo de dinossauros, mas ao sentir o algodão no braço, rapidamente retirou os óculos. “No começo, deu para distrair. Mas ele ficou inseguro por não ver o que acontecia. Em uma próxima, quem sabe?” 

Desde junho, o laboratório Hermes Pardini também adotou os óculos, mas só para vacinação. A coordenadora Melissa Palmieri diz que o procedimento tem maior aceitação com os óculos. Mas, segundo ela, não é toda criança que gosta de usá-los no momento do exame. Ela estima que aproximadamente 15% fiquem inseguros em ser “picados” sem observar o que acontece, como Guilherme. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco