Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde

transfusão

Software evita rejeição nas transfusões de sangue

A partir da análise de sequências genéticas, programa indica o risco de ocorrência de complicações em decorrência de incompatibilidade sanguínea com 99% de acurácia

Publicado em: 19/05/2018 14:38

Além dos tipos comuns - A, B, AB e O -, há mais de 300 antígenos no sangue que diferenciam indivíduos: algoritmo poderá otimizar as doações. Foto: Ed Alves/CB/D.A Press - 20/12/17
A maior parte das pessoas está familiarizada com os tipos sanguíneos A, B, AB e O, mas existem outras centenas de grupos antígenos nas células vermelhas — substâncias que podem desencadear respostas imunológicas no organismo — que diferem de indivíduo para indivíduo. Quando alguém recebe uma transfusão, caso esses antígenos não sejam reconhecidos pelo corpo, pode até morrer. Atualmente, não existem métodos para determinar todos eles. Porém, à medida que o sequenciamento total do genoma se tornar rotineiro para os pacientes, talvez seja possível identificar tanto os doadores quanto os receptores em risco de rejeição, uma condição rara, antes das transfusões.

Em um estudo publicado na revista The Lancet Haematology, pesquisadores do Hospital Brigham and Women e da Faculdade de Medicina de Harvard, além do Centro de Sangue de Nova York, divulgaram o primeiro teste de sequenciamento total do DNA para desenvolver e validar um programa de computador custo efetivo que determine as diferenças nos tipos sanguíneos com mais de 99% de acurácia.
 
“Complicações em transfusões de sangue são comuns em pacientes que precisam desse procedimento de forma crônica, mas, com a tecnologia atual, não é financeiramente possível fazer a testagem de sangue para todos os antígenos”, diz William Lane, diretor do Laboratório de Informática Clínica do Hospital Brigham and Women e primeiro autor do artigo. “Mas o algoritmo que desenvolvemos pode ser aplicado para testar todo mundo para todos os grupos sanguíneos relevantes a baixo custo, assim que for obtido o sequenciamento”, complementa.

Antígenos estranhos

Transfusões de sangue são um dos procedimentos mais rotineiros da medicina, com mais de 3,5 milhões feitas no Brasil a cada ano. Complicações decorrentes podem levar a óbito. Quando o corpo encontra antígenos estranhos nas células do doador, ele estimula a produção de anticorpos para destruir as células doadas. Desde o nascimento, as pessoas desenvolvem substâncias específicas de seu grupo sanguíneo, mas outros anticorpos podem ser estimulados durante a gestação a partir da exposição da mãe às células fetais ou quando o indivíduo é alvo de múltiplas transfusões. Dessa forma, aumenta o risco de o organismo rejeitar o sangue de um doador.

“Essa abordagem tem o potencial de ser o primeiro uso clínico de rotina da genômica para os cuidados de pacientes que precisam de transfusão”, acredita Connie M. Westhoff, pesquisadora do Centro de Sangue de Nova York e coautora do artigo. “Ela pode prevenir sérias ou mesmo letais complicações porque, uma vez que os pacientes são sensibilizados, eles têm um risco crônico para reações caso estejam em uma emergência médica e precisem de transfusões”, diz.

Validação

Hoje, a maior parte dos testes checam apenas a compatibilidade do tipo ABO e do antígeno Rh entre doador e receptor, mas mais de 300 antígenos presentes nas células sanguíneas e 33 nas plaquetas são conhecidos. Para criar uma forma barata de examinar a reação do organismo de um grande número de pessoas a essas substâncias, William Lane e os colaboradores se uniram para construir um banco de dados e desenvolver o algoritmo, chamado bloodTyper (tipificador sanguíneo), que pode predizer rapidamente e com acurácia o perfil dos antígenos do sangue a partir de sequências genéticas. Lane, Westhoff e outros pesquisadores validaram o software comparando os resultados a métodos tradicionais que, contudo, são mais trabalhosos e caros.

O bloodTyper teve 99% de acurácia na identificação dos anticorpos dos genomas de participantes do Projeto MedSeq. Trata-se de um estudo de pesquisa empírica que tem como objetivo medir o impacto do sequenciamento total do DNA na prática da medicina. Mais de 1 mil pessoas voluntariamente doaram seus genomas para o banco de dados. “Esse artigo demonstra uma utilidade que jamais havíamos imaginado e que poderá trazer grande benefício caso o sequenciamento total do genoma torne-se uma rotina médica”, afirma Robert Green, principal pesquisador do MedSeq. “O sequenciamento do genoma, agora, pode identificar potenciais receptores de transfusões que precisam de tipos sanguíneos raros, assim como as pessoas que podem fornecê-los de maneira segura.”
 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Entenda os riscos da escoliose para saúde
Primeira Pessoa com Bione
Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco