Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

VERBAS

Maia admite possibilidade de cortes de salários dos parlamentares para combate ao coronavírus

Publicado em: 23/03/2020 18:24 | Atualizado em: 23/03/2020 18:32

 (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Em entrevista à CNN Brasil, nesta segunda-feira (23), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, admitiu a possibilidade de cortes salariais de parlamentares, bem como de outros servidores do Executivo e do Judiciário para ajudar no combate ao coronavírus no país. Maia revelou, ainda, que o presidente Jair Bolsonaro tamém pode transferir verbas do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral para a mesma finalidade.

O presidente da Câmara aproveitou a entrevista para alfinetar a postura do governo federal na crise do coronavírus e alertou que este é momento é para injetação de recursos na economia. Segundo ele, se o governo não entender que é preciso gastar, "fica muito difícil" superar a crise.

"Se é no fundo eleitoral ou partidário, que podem representar R$ 2,5 bilhões, não vejo problema, que se use. Agora, nós precisamos entender: a Saúde vai precisar de quanto? De R$ 50, R$ 100, R$ 150 bilhões. Só um projeto de suspensão do contrato de trabalho para contratar o seguro-desemprego vai custar quanto? De R$ 80 a R$ 100 bilhões. Por isso, a gente não precisa estar preocupado com gastos que tem previsão futura. Temos que usar qualquer rubrica", disse Rodrigo Maia. 

Ainda segundo o presidente da Câmara Bolsonaro tem "liberdade para usar todo o orçamento e ampliar o gasto", argumentando que a decretação do estado de calamidade pública implica na inexistência do cumprimento da meta fiscal.

"Se não existe mais meta... o governo tinha projetado um gasto acima de sua receita primária de R$ 126 bilhões. Ele agora pode gastar R$ 200, R$ 300, R$ 400 bilhões", disse o deputado. 

Maia disse que, para ele, é preciso haver os cortes de salários no Congresso. "Todo poder público vai ter que contribuir. Transferir isso para o parlamentar é fazer apenas um gesto importante, mas que não tem nenhum impacto fiscal. Acho que os três Poderes vão ter que contribuir: Legislativo, Executivo e Judiciário. Os salários no nível federal são o dobro no seu equivalente no setor privado", afirmou o presidente da Câmara.

Sobre o recuo de Bolsonaro, que anunciou retirar trecho de Medida Provisória que autorizava suspensão do contrato de trabalhadores por quatro meses, sem pagamento de salários, ele afirmou que era o melhor a se fazer.

"Outros trechos (da MP) a gente consegue debater, mas o artigo 18 (que trata da suspensão) era realmente impensável".

Com informações da CNN Brasil e do jornal O Globo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Notícias do dia: Enem só em 2021, Bom Jesus entre as ruas mais belas e gays podem doar sangue
Moro: Lula e Bolsonaro são extremos a serem evitados
08/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco