Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

PANDEMIA

Com aulas suspensas, merendeiros e cuidadores são demitidos em SP

Por: FolhaPress

Publicado em: 30/03/2020 11:35

 (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Menos de uma semana depois da suspensão das aulas nas escolas da rede estadual de São Paulo pela pandemia do coronavírus, merendeiros, cuidadores de crianças com deficiência e motoristas começaram a ser demitidos pelas empresas terceirizadas que prestavam esses serviços.
As demissões ocorreram depois de passar a valer uma resolução assinada pelo secretário da Educação, Rossieli Soares, determinando a suspensão dos contratos a partir da última segunda-feira (23), quando teve início a interrupção das aulas presenciais em todas as 5.300 escolas do estado.
 
O dispositivo se refere aos convênios de transporte escolar para alunos com ou sem deficiência, preparo e distribuição de refeições e apoio a estudantes com deficiência que tenham limitações motoras. Segundo o secretário, o governo estadual não poderia "continuar pagando por um serviço que não está sendo prestado".
"Não temos relação trabalhista direta com esses funcionários, mas temos muita preocupação. A nossa orientação às empresas não era de demissão, mas de se antecipar férias", disse Rossieli. Os contratos suspensos tinham previsão de encerramento apenas no fim do ano letivo.
Merendeira há seis anos na escola estadual Gregório Bezerra, em Diadema (Grande SP), Nadir Francisca Silva, 57, disse ter ficado surpresa ao ser demitida na segunda (23). "Disseram que estavam dispensando todas as merendeiras por causa da crise, que não tinham outra opção", contou. A empresa em que trabalhava tinha cerca de cem pessoas nessa função nos colégios.
 
Sem uma reserva financeira e agora apenas com a aposentadoria do marido, Nadir disse querer começar a procurar emprego. "Mas não sei nem como fazer nesse momento. Está tudo fechado. Só sei que tenho que ir atrás, porque, além do salário, eu perdi também a cesta básica e a de produtos de limpeza que recebia todo mês da empresa."
A situação se repetiu em diversas cidades do estado. Uma empresa de Santa Rita do Passa Quatro (a 250 km de São Paulo), que contratava cuidadoras para atuar nas escolas, enviou comunicado aos funcionários dizendo "infelizmente, ser obrigada a encerrar todos os contratos imediatamente". "Pedimos a Deus, nosso grande protetor, que todos juntos possamos sair deste estado de calamidade pública o mais rápido", encerra a nota.
 
Uma merendeira de uma escola de Limeira (a 150 km da capital paulista), que pediu para não ser identificada, disse que os funcionários tentaram negociar férias coletivas com a empresa quando foram souberam da demissão. "Poderiam até reduzir um pouco o valor do nosso salário, ficaríamos um pouco mais tranquilos em saber que, quando as aulas voltarem, ainda teríamos emprego. Mas não aceitaram. Agora, não sabemos de nada."
 
Rossieli Soares disse à reportagem não ter sido comunicado sobre as demissões dos funcionários, mas informou que entraria em contato com as empresas para buscar soluções e reverter os desligamentos que já ocorreram. Por ser um serviço terceirizado, a secretaria não soube informar o número de pessoas afetadas com a suspensão dos convênios.
 
"É uma situação muito atípica a que estamos vivendo e que pode ser normalizada em algumas semanas. Não sabemos quando vai ser, mas temos de estar preparados para voltar à normalidade das escolas e todos os funcionários também".
 
Marcelo Colonato, presidente do Conselho Estadual de Alimentação Escolar, disse que as demissões são preocupantes por colocar em risco a oferta de merenda na volta às aulas. "As empresas vão conseguir contratar novos profissionais a tempo quando o calendário escolar voltar? Vão contratar pessoas capacitadas, que conhecem a rotina das escolas? São questões com que o governo precisa se preocupar", disse.
 
Nadir disse esperar ser recontratada para voltar à escola. "É um trabalho cansativo, só eu e mais uma merendeira para servir quase 500 refeições por dia. Com o tempo a gente aprende o que eles mais gostam de comer, quais temperos, a quantidade. Vou sentir falta de ouvir as crianças me pedindo comida." 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Notícias do dia: Enem só em 2021, Bom Jesus entre as ruas mais belas e gays podem doar sangue
Moro: Lula e Bolsonaro são extremos a serem evitados
08/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco