Rio de Janeiro Policiais invadiram hospital e tentaram pegar projétil que matou Ágatha, de acordo com revista

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 03/10/2019 17:28 Atualizado em:

Momentos após a menina Ágatha Vitória Félix, de oito anos, ser morta no Rio de Janeiro, dez a vinte policias militares invadiram o hospital Getúlio Vargas, na Penha, zona norte da cidade, onde ela estava internada. O objetivo era levar o projétil que a matara.

As informações são da Veja. De acordo com o veículo, a equipe de médicos e de enfermeiros de plantão na madrugada do sábado, 21 de setembro, se recusou a entregar a bala, e a enviou para a Polícia Civil, responsável pelas investigações.

Ainda segundo a Veja, a Delegacia de Homicídios está tentando resgatar depoimentos de integrantes da equipe médica presente na ocasião, mas os profissionais temem represálias. Os investigadores também não conseguiram imagens da ida dos policiais ao hospital.

Entenda o caso

Ágatha foi baleada nas costas quando estava dentro de uma kombi com a mãe, a caminho de casa, na noite de sexta (20), em uma localidade chamada Alvorada, no alto do Complexo do Alemão. 

Parentes acusam a polícia de ter feito o disparo, com o objetivo de acertar um motociclista, mas o tiro atingiu a menina. A polícia diz que foi atacada por criminosos e houve troca de tiros. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios.

Resposta de Witzel

Em sua conta no Twitter, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, prometeu apurar se os policiais realmente invadiram o hospital e garante que, se culpados, sofrerão represálias. 


 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.